Viver bem e fazer o bem, por Larissa Azevedo

O pecado nasce da ignorância, que é fruto do mal. A inveja deve ser sempre monitorada e, por consequência, eliminada

 

Devemos ser e agir conforme os princípios da humanidade, sendo bondosos, caridosos e, acima de tudo, humildes. Sem a humildade não há compaixão e amor ao próximo. Devemos viver de acordo com os preceitos da sociedade. Sem inveja, sem ódio, sem desunião, sem desrespeito, nosso mundo se transformará em um belo e pacífico paraíso.

O pecado nasce da ignorância, que é fruto do mal. A inveja deve ser sempre monitorada e, por consequência, eliminada, pois ela pode pertencer a qualquer pessoa e estar em todo lugar. O ódio habita em nosso planeta, entretanto com gestos de amor, amizade, altruísmo e simplicidade pode-se construir um lugar melhor para se viver. Nosso mundo sofre pela grande desunião, pelo desentendimento e pela desvalorização para com todos os seres na Terra existentes.

Em nosso coração carecemos sempre de aumentar as doses de amor e carinho, de benevolência e solidariedade. Estas são as peças-chave de um viver saudável e álacre. Sem elas há uma provável chance de estar num poço sem fundo, além de desistir de encontrar o bem nas coisas mais simples às mais complexas. Na vida não podemos nos deixar levar pela maldade, pela falta de respeito e educação e pelo impulso negativo que interfere em nossos pensamentos e ações.

Aproveitemos da melhor maneira possível, sem cometer atos que possam nos comprometer e até mesmo nos fazer sofrer. A vida é valiosa. Nosso primeiro ato deve ser a reflexão para que, assim, ajamos com muita cautela, proporcionando constantemente a prosperidade, o prazer e a felicidade. O mal somente se manifesta quando oferecemos poder a ele.

Com atitudes benéficas e positivas, nosso planeta se transforma em um melhor lugar para se viver, com demasiada paz e tranquilidade ao nosso redor. Dessa forma, a bondade prevalece e nós, seres humanos, nos tornamos cada vez mais generosos, construindo um vínculo de união, tornando-nos cada vez mais próximos e sempre com o propósito de praticar o bem.”