Tuberculose: tratamento em Mogi é reconhecido pela 15º vez em SP

Qualidade do tratamento da doença em Mogi foi destaque pelo índice de 85% de cura de novos casos

 

DE SÃO PAULO – A qualidade das ações de combate à tuberculose realizadas em Mogi das Cruzes foi premiada pelo 15º ano como uma das melhores do Estado de São Paulo. Nesta segunda-feira (23/09), o Programa de Controle da Tuberculose da Prefeitura Municipal de Mogi das Cruzes foi destaque no Fórum Estadual de Tuberculose pelo índice de 85% de cura de novos casos registrados em 2018. O evento foi realizado no Centro de Convenções Rebouças, em São Paulo, e reuniu cerca de 800 profissionais da saúde, envolvidos com programas de tratamento da tuberculose e outras doenças.

Representando Mogi das Cruzes, a técnica de enfermagem Célia Aparecida Cardoso e a auxiliar de apoio administrativo Claudia Toda Daré receberam a homenagem em nome do município e expressaram a alegria de obter mais uma conquista para cidade. “Receber a premiação pela 15º vez mostra o comprometimento da nossa cidade com a saúde. A meta de 85% reflete o trabalho de cada profissional e isso é gratificante para nós”, afirmou Célia.

Mogi foi premiada ao lado de outras cidades paulistas que conseguiram alcançar a meta de cura preconizada pelo Ministério da Saúde. Além da taxa, também são analisados outros critérios, como qualidade dos exames, sistema de informação, busca de sintomas respiratórios, tratamentos supervisionados e número de testes de HIV realizados. Em 2018, Mogi das Cruzes registou 147 casos novos e atingiu 85,3% da taxa de cura. Neste ano, até o momento, Mogi tem 101 pacientes em tratamento.

Célia Cardoso explica que a tuberculose é uma doença infectocontagiosa causada por uma bactéria que afeta principalmente os pulmões, mas também pode ocorrer em outros locais, como pleura, gânglios, ossos, rins, entre outros. “Ela é causada pelo Bacilo de Koch e sua transmissão acontece por vias aéreas quando a doente tosse, fala ou espirra. Os principais sintomas da tuberculose são tosse (em geral que persiste por mais três semanas), febre baixa, suores noturnos, emagrecimento e cansaço fácil. Deve-se dar atenção aos grupos mais vulneráveis, que são os portadores do vírus HIV, população carcerária, moradores de rua e dependentes químicos”, concluiu.

Em Mogi, o diagnóstico da tuberculose pode ser feito em qualquer posto de saúde, mas o tratamento é disponibilizado na Unidade de Atenção aos Programas de Saúde (UAPS1). A unidade tem como finalidade o atendimento ambulatorial específico dos Programas de Controle da Tuberculose e Hanseníase. A UAPS1 presta assistência médica e de enfermagem, realiza a coleta de exames e garante medicamentos com doses supervisionadas e visitas domiciliares durante o tempo de tratamento. O endereço é Rui Barbosa, 174, Centro – Mogi das Cruzes. Para mais informações, o telefone é 4724-8047.

Foto: SMS / Divulgação