Gustavo Santos Vargas Arias, suspeito de esquartejar família de bolivianos em SP, é preso em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia

PAULO QUARESMA – DO CORREIO INDEPENDENTE – Foi preso em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, Gustavo Santos Vargas Arias, o principal suspeito de matar e esquartejar uma família de bolivianos, crime que provavelmente ocorreu em São Paulo, cujos corpos foram encontrados em malas em uma casa de Itaquaquecetuba – um dos dez municípios do Alto Tietê – região que ocupa a faixa leste da Grande São Paulo. A confirmação ocorreu neste sábado (09/02), pelo coronel Jhony Aguilera, da polícia boliviana.

Segundo o policial boliviano, neste domingo haverá uma entrevista coletiva em Santa Cruz de la Sierra, onde todos os detalhes da prisão serão divulgados. Ainda de acordo com a polícia, o suspeito entrou no país por Puerto Quijarro – cidade situada na província de Germán Busch, no leste do Departamento de Santa Cruz, na fronteira com o Brasil, pelo pantanal matogrossense.
No dia 8 de janeiro, os corpos de Jesus Reynaldo Condori Sanizo, de 39 anos, da mulher dele, Irma Morante Sanizo, de 38 anos, e do filho, Gian Abner Morante, de 8 anos, foram encontrados esquartejado sem sacos de plásticos, dentro de malas, em uma casa em Itaquaquecetuba, uma das dez cidades do Alto Tietê – região que ocupa a faixa leste da Grande São Paulo.  A suspeita é que a motivação do crime tenha sido financeira.

Para a polícia boliviana, Arias revelou ter assassinado a criança dois dias depois de matar os pais. Segundo ele, 0 garoto chorava muito e perguntava pelo pai e pela mãe.

Ainda não se sabe se Gustavo Vargas Arias será entregue às autoridades brasileiras, em razão do crime ter sido cometido no País. De acordo com a advogada que representa a família das vítimas, Patrícia Vega, o destino do assassinato triplo será decidido por um juiz da Bolívia. As autoridades bolivianas avaliam a possibilidade de entregar o acusado ao Brasil com base em uma cooperação jurídico-internacional.

*Com informações da ABI, agência pública de notícias da Bolívia.

Foto do alto: ABI Bolívia / Divulgação 

CLIQUE NAS REPORTAGENS ANTERIORES DO CORREIO INDEPENDENTE, ABAIXO, E RELEMBRE O CASO