Sobe para 25 mortes por Covid-19 no Alto Tietê; País tem 941 óbitos e 17.857 casos

Novo óbito é de idoso de Guarulhos. Maioria dos mortos pelo Covid-19 na região é de idosos. Das 25 mortes, 20 tinham 60 anos ou mais

 

PAULO QUARESMA – DO CORREIO INDEPENDENTE * – Com mais um óbito registrado, agora em Guarulhos, sobe de 24 para 25 o total de mortes pela Covid-19 nas 12 cidades do Alto Tietê, de acordo com dados Condemat – (Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê) – com base nos boletins diários das Vigilâncias Epidemiológica das cidades. A morte é de um morador de Guarulhos, de 65 anos.

A região compreendida pelo Condemat tem as dez do Alto Tietê geográfico, com a inclusão de Guarulhos e Santa Branca. São elas: Arujá, Biritiba Mirim, Ferraz de Vasconcelos, Guararema, Guarulhos, Itaquaquecetuba, Mogi das Cruzes, Poá,  Salesópolis, Santa Branca, Santa Isabel e Suzano.

Segundo o Condemat, as estatísticas mostram que os casos têm nos idosos as principais vítimas fatais do Coronavírus na região. Dos 25 óbitos registrados até essa quinta-feira (09/04), 20 foram de pessoas com 60 anos ou mais e as mulheres continuam sendo maioria – 15 no total. O número de notificações de Covid-19 ultrapassou a marca de quatro mil e há 278 casos confirmados.

Das 25 vítimas fatais, duas estão na faixa etária de 30 a 39 anos; duas entre 40 a 49 anos; uma entre 50 a 59 anos; cinco entre 60 a 69 anos; nove entre 70 a 79 anos; e seis entre 80 a 89 anos – confira gráfico no link abaixo. É de Guarulhos a pessoa mais nova que morreu por Coronavírus, com 37 anos, e também a mais velha, com 89 anos.

 

Clique e veja planilha de casos e óbitos por Covid-19 até esta quinta, dia 9, no Alto Tietê

 

       Faixa etária de mortes por Covid-19/Alto Tietê

30 a 39 anos – 2 mortes

40 e 49 anos – 2 mortes

50 e 59 anos – 1 morte

60 e 69 anos – 5 mortes

70 a 79 anos – 9 mortes

80 e 89 anos – 6 mortes

 

  1. Das 12 cidades que integram o Codemat, seis delas têm óbitos por coronavírus: Arujá (1), Guarulhos (12), Mogi das Cruzes (7), Poá (1), Santa Branca (1) e Suzano (3).

As maiores taxas de letalidade por coronavírus até o momento estão em em Suzano, que contabiliza 3 óbitos entre 21 casos confirmados  (14,3%); Guarulhos, com 12 mortes entre 107 pacientes infectados (11,2%), e Mogi das Cruzes, que tem 7 óbitos para 73 casos confirmados (9,6%).

 

Mortos pela Covid-19 no Alto Tietê

Guarulhos – 12 vítimas

Mogi das Cruzes – 7 vítimas

Suzano – 3 vítimas

Arujá – 1 vítima

Poá – 1 vítima

Santa Branca – 1 vítima

Total: 25 vítimas fatais

 

As estatísticas divulgadas nesta quinta-feira mostram um total de 4.280 notificações nas 12 cidades do Condemat, com 738 casos descartados e 278 confirmados – o restante é de suspeitos aguardando resultados ou casos leves que não tiveram coleta de exame. Há, ainda, 83 óbitos em investigação.

 

_______________

Em todo o País, chega a 941 as mortes por Covid-19, e 17.857 casos confirmados

 

DE BRASÍLIA – Subiu para 17.857 o número de casos confirmados de Coronavírus no Brasil. Foram 1.930 novas confirmações em 24 horas. O número de óbitos também aumentou, agora são 941. Os números estão consolidados com as informações que foram repassadas pelas Secretarias Estaduais de Saúde ao Ministério da Saúde até às 14h desta quinta-feira (09/04), véspera da Sexta-feira Santa. O resultado marca um aumento de 17% em relação a quarta-feira (08/04) quando foram registrados 800 óbitos.

O número de mortes decorrentes do novo Coronavírus (Covid-19) totalizou 941, segundo atualização divulgada pelo Ministério da Saúde em entrevista coletiva no Palácio do Planalto, na tarde e noite desta quinta-feira (09/04), véspera da Sexta-feira Santa. O resultado marca um aumento de 17% em relação a quarta-feira (08/04) quando foram registrados 800 óbitos.

Segundo o Ministério da Saúde, 86% dos municípios do País não têm sequer um caso suspeito da doença. Os problemas são nos centros urbanos – principalmente no eixo São Paulo-Rio, e nas cidades maiores, o que representa 14% do total de cidades brasileiras.

A região Sudeste é a localidade com mais casos confirmados (10.624), seguido pelo Nordeste, com 3.242.

A maior parte das notificações da lista nacional está em São Paulo, com 7.480 casos confirmados e 496 mortes. Apenas o estado de Tocantins não tem, até o momento, óbito pela doença, mas também registrou casos confirmados, assim como todos os demais estados brasileiros.  O estado é seguido por Rio de Janeiro (122), Pernambuco (56), Ceará (55) e Amazonas (40).

Além disso, foram registradas mortes no Paraná (22), Bahia (19), Santa Catarina (17), Minas Gerais (15), Distrito Federal (13), Maranhão (12), Rio Grande do Sul (12), Rio Grande do Norte (11), Goiás (7), Pará (7), Paraíba (7), Espírito Santo (6), Piauí (6), Sergipe (4), Alagoas (3), Mato Grosso do Sul (2), Amapá (2), Acre (2), Mato Grosso (2), Rondônia (2) e Roraima (1).

As cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Fortaleza, Manaus e Brasília – cinco capitais de estado – registram os maiores índices de casos de contaminação pelo novo Coronavírus.

Já o total de casos confirmados subiu para 17.857. O número representa um crescimento de 12% em relação a quarta-feira (08/04), quando o balanço do Ministério da Saúde marcou 15.927.

No total foram 141 novas mortes entre a quarta-feira (08/04)e esta quinta-feira (09/04), um novo recorde. Na quarta foram 133 novos óbitos, na terça haviam sido 114 e na segunda-feira, 67. No tocante ao perfil, 41% das vítimas fatais eram mulheres e 59% eram homens.

Quanto à idade, 77% tinham menos de 60 anos. Na semana passada, eram 90%. Já em relação às complicações associadas à morte, 336 dos pacientes tinham alguma cardiopatia, 240 diabetes, 82 apresentavam alguma pneumopatia e 55 apresentavam alguma condição neurológica.

As hospitalizações ficaram em 3.416. O total de pessoas internadas com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) totalizam 31.451. Deste total, 26.644 mil pessoas internadas com essas síndromes ainda estão em investigação.

Hospitais e grupos de risco

Do total de casos, 3.871 (12%) estão em estado grave, necessitando de internação em hospitais de referência em todo o Brasil. Atualmente, dos 941 óbitos confirmados, 78% ocorreram em pessoas com mais de 60 anos e, 74% do total das vítimas, apresentavam pelo menos um fator de risco.

Pessoas acima de 60 anos se enquadram no grupo de risco, mesmo que não tenham nenhum problema de saúde associado. Além disso, pessoas de qualquer idade que tenham comobidades, como cardiopatia, diabetes, pneumopatia, doença neurológica ou renal, imunodepressão, obesidade, asma e puérperas, entre outras, também precisam redobrar os cuidados nas medidas de prevenção ao coronavírus

Regiões

O Mato Grosso do Sul passou a disponibilizar a incidência (número de casos proporcional a 100.000 habitantes) não somente em estados, mas em regiões. As com índice maior são Fortaleza (43,9), São Paulo (40,4), Manaus e Alto Rio Negro (28,1), Distrito Federal (16,9), Área Central, no Amapá (16,8) e Laguna (SC).

Na comparação por estados, os com maior incidência por 100.000 habitantes foram Amazonas (19,1), Distrito Federal (16,7), São Paulo (14,5), Ceará (14,1), Amapá (12,4) e Rio de Janeiro (11,2). Todas essas Unidades da Federação pelo menos 50% acima da média nacional, que ficou em 7,5 pessoas infectadas por 100.000 habitantes.

 

Atualização dos casos

Para manter a população informada a respeito dos casos e óbitos, o Ministério da Saúde atualiza diariamente os dados na plataforma de dados do coronavírus. O painel traz as informações e permite uma análise do comportamento do vírus com o passar do tempo, além de um gráfico de dados acumulados apontando a curva epidêmica da doença.

A plataforma está disponível para livre acesso no endereço: covid.saude.gov.br

_______________

 

 

*Com informações do Condemat e Ministério da Saúde