Rodovias paulistas: tráfego segue intenso na volta do feriado de Ano-Novo

Sol abriu em praticamente todo o Estado no último dia do feriado e muita gente retardou a volta pra casa

 

DA REDAÇÃO DO CORREIO INDEPENDENTE – Atualizada às 23h05 – O movimento de volta dos motoristas que foram passar o Ano Novo fora da Capital paulista continua grande. A Rodovia Regis Bitencourt – que liga o Estado com o Sul do País – continua totalmente engarrafada.

Já a Rodovia Ayrton Senna em direção a São Paulo, de uma tarde e noite com transito intenso, agora, as 23h09, já está com tráfego normal em direção á Capital. As informações são da Ecopistas, concessionária responsável pela rodovia.

Já no Sistema Anchieta-Imigrantes, das duas estradas que ligam o Planalto à Baixada Santista, a concessionária Ecovias explica que na Anchieta o tráfego é normal na subida da Serra do Mar. Já na Rodovia dos Imigrantes o tráfego está congestionado, sentido São Paulo, do km 70 ao km 50, devido ao excesso de veículos. Ou seja, agora, às 23h05, há 20 quilômetros de lentidão.

Segundo o Departamento de Estradas de Rodagem, às 20h30, o trânsito na subida da serra pela Rodovia Mogi-Bertioga, a SP-98 segue intenso rumo a Mogi das Cruzes, em todo os trechos da estrada. O relatório das 22h30 do DER, anexado abaixo, mostra a situação nessa rodovia e em outras administradas pelo órgão estadual.  A lentidão com potos de congestionamento na Rio-Santos, trecho Ubatuba a São Sebastião, e também no trecho São Sebastião ao Guarujá – todos cujos motoristas rumam para a Rodovia Mogi-Bertioga ou para o Sistema Anchieta-Imigrantes, com direção a São Paulo.

 

A estimativa da Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) é que 2,7 milhões de veículos circulem pelas rodovias paulistas neste feriado, tanto na saída quanto no retorno à capital. O pico de tráfego nesse sentido deveria ocorrer das 12h às 23h de hoje, informou o órgão.

Imagens da Rodovia Mogi-Bertioga, já em Mogi das Cruzes, no trevo de Taiaçupeba, mostra um “mar de faróis acesos” para quem vem das praias