Mais de 26 mil máscaras são confeccionadas por costureiras ligadas ao Fundo Social

Material é confeccionado na Escola de Empreendedorismo e Inovação, no Centro de Mogi

 

DE MOGI DAS CRUZES – Desde o início da pandemia gerada pelo novo Coronavírus e a decretação de quarentena, mais de 26 mil máscaras de proteção facial já foram produzidas pelas costureiras ligadas ao curso de corte e costura do Fundo Social de Mogi das Cruzes. O material é confeccionado na Escola de Empreendedorismo e Inovação (no prédio do antigo Colégio São Marcos, na Rua Senador Dantas) e distribuído gratuitamente, com foco nos profissionais da área da Saúde.

A iniciativa foi tomada antes mesmo da determinação geral para que todos utilizem máscaras, a princípio com o objetivo de suprir a carência do equipamento no mercado. Com a mudança na orientação e a exigência para que as pessoas só saiam de casa com a devida proteção, o trabalho teve continuidade e foi feita inclusive uma ação pontual de entrega dos itens produzidos para a comunidade, mais especificamente para usuários do transporte coletivo municipal.

A atividade é desenvolvida em cumprimento às orientações sanitárias e segue também requisitos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), no contexto da emergência de saúde pública internacional, relacionada ao SARS-CoV-2 (novo coronavírus).

As entregas vêm sendo feitas sequencialmente ao longo das últimas semanas. Nesta quarta-feira (20/05), mais uma leva de 5.100 unidades foi entregue, o que fez com que o total de itens produzidos e distribuídos chegasse ao número exato de 26.743.

Esta é apenas uma das frentes de atuação do Fundo Social de Mogi das Cruzes e dos voluntários ligados ao órgão e ao programa Família Solidária. As mesmas costureiras também têm se dedicado à confecção de aventais, que servem como complemento à paramentação necessária para aqueles que atuam na linha de frente, em hospitais e unidades de saúde.

Além disso, os voluntários se dedicaram à montagem de kits de alimentação, que foram distribuídos emergencialmente à população em situação de vulnerabilidade e também prestam apoio a pessoas assistidas por entidades sociais, em especial idosos, que ficaram impossibilitados de sair para atividades essenciais, como compras em mercados, por integrarem grupo de risco.

Foto: Ney Sarmento / PMMC