Estado de São Paulo tem rede integrada para combater o câncer

DE SÃO PAULO – Com a missão de aprimorar o modelo de atenção às pessoas com câncer e integrar os serviços de tratamento em oncologia no Estado, a Rede Hebe Camargo foi inaugurada em 8 de março de 2013, Dia Internacional da Mulher e aniversario da homenageada.

Em 2010, a artista foi diagnosticada com câncer no peritônio, membrana que envolve o órgão do aparelho digestivo, e virou um símbolo da luta contra a doença. Assim, a Rede Hebe Camargo de Combate ao Câncer (RHCCC) representa o conjunto de unidades de diagnóstico e especializadas no tratamento de câncer, situadas no Estado de São Paulo, habilitadas pelo Ministério da Saúde.

Os espaços prestam assistência integral, de qualidade e resolutiva ao paciente com câncer, atuando de forma integrada à rede de saúde e às diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS). Em 2013, o Ministério da Saúde instituiu a Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer na Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças Crônicas no âmbito do SUS, por meio de uma portaria, o que confirmou a relevância do tema oncologia para a saúde dos brasileiros.

“A Rede Hebe Camargo de Combate ao Câncer presta assistência de qualidade ao paciente com a doença, atuando de forma integrada à rede de saúde e às diretrizes do SUS”, saliente o secretário de Estado da Saúde, Marco Antonio Zago.

Em junho de 2017, foi publicada a resolução que aprova o regulamento da rede de saúde em todo o Estado. Pacientes de todas as regiões do Estado diagnosticados com câncer podem receber atendimento especializado por meio de um serviço de saúde unificado.

 

Regulação

 

Vale destacar que a regulação de oncologia do Estado de São Paulo teve início na Central de Regulação de Ofertas de Serviços de Saúde (CROSS) em 2014, com o objetivo de oferecer um sistema de assistência às necessidades imediatas do cidadão através da equidade do acesso ao SUS.

Os pacientes realizam atendimento primário em uma unidade de saúde do município e, caso os exames apresentem algum indício de câncer, são encaminhados para uma instituição especializada por meio do sistema CROSS. “Trata-se de uma regulação individual, com avaliação e diagnóstico por cidadão, região e gravidade”, enfatiza a coordenadora da Rede Hebe Camargo, Sônia Alves. “Desse modo, conseguimos ter uma análise mais rápida e perto da casa do paciente”, acrescenta.

No ano de 2017, o Portal da CROSS registrou cerca de 40 mil agendamentos na Rede Hebe Camargo, com base nas agendas reguladas. É importante frisar que a maioria dos procedimentos ocorreu nos Departamentos Regionais de Saúde dos municípios paulistas. Como resultado, mais de 94% dos agendamentos na rede, que é referência no setor, tiveram assistência hospitalar perto das casas dos pacientes.