Quarentena em todo o Estado: Mogi às moscas – prato cheio ao crime, ACMC insiste em flexibilidade de impostos e pede reforço na segurança

Com fechamento do comércio a partir desta terça, 23, entidade pede apoio do Município para minimizar reflexos negativos no setor. Funcionamento da Associação também será suspenso

 

DE MOGI DAS CRUZES – A direção da ACMC – Associação Comercial de Mogi das Cruzes informou nesta segunda-feira (23/03) que vai insistir com a Prefeitura para a flexibilização nos prazos de vencimentos dos impostos municipais, a fim de minimizar os reflexos negativos do fechamento obrigatório do comércio a partir desta terça-feira (24/03). A entidade também pede o apoio da Administração Municipal e da Polícia Militar para o reforço na segurança, de forma a coibir a ação de marginais nos estabelecimentos fechados.

 

No vídeo abaixo, o radialista Marcelo Arruda mostra um cenário inusitado; uma terça-feira, que não é feriado, mas com tudo fechado na Rua Barão de Jaceguai. É apenas o primeiro dia da Quarentena

 

Entra em vigor, nesta terça-feira, a Quarentena, que vai durar até 7 de abril – com possibilidade de prorrogação – que determina o fechamento de diversos tipos de comércios e serviços, e praticamente prende a população dentro de suas casas. LEIA MAIS ABAIXO

Durante a segunda, a grande maioria dos estabelecimentos estava fechada e, nesta terça-feira, a cidade parecia um lugar fantasma – o que em alguns períodos – e principalmente pela noite e madrugada, pode se transformar num prato cheio para os bandidos.

Sobre os tributos municipais, o prefeito Marcus Melo anunciou o adiamento da parcela de abril do IPTU para maio. Mas a direção da ACMC pede a prorrogação dos prazos também do ISS e das taxas de licença, se possível por um período maior.

“Para as empresas do Simples Nacional, o Governo Federal adiou para o segundo semestre as parcelas de abril, maio e junho. Esperamos que o mesmo possa ser feito com os tributos municipais. Mesmo que lá na frente esses vencimentos se acumulem com os dos meses correntes, o empresário terá um fôlego para se organizar, já que não sabemos se o fechamento do comércio e serviços por 15 dias será suficiente ou se o Estado determinará novos prazos”, argumentou o presidente da ACMC, Marco Zatsuga.

Além dos tributos, a ACMC também está conversando com a Prefeitura e a Polícia Militar para o reforço nas rondas das principais áreas comerciais da cidade a partir desta terça-feira. Os comerciantes temem que os marginais se aproveitem do vazio das ruas para invadir as lojas fechadas e praticarem furtos.

“Apenas os comércios e serviços essenciais estarão funcionando e há um risco também para eles, por isso, é importante que a segurança seja reforçada”, disse o presidente.

A entidade aguarda, ainda, as informações da Prefeitura sobre como será a fiscalização do cumprimento do decreto estadual, que estabelece o fechamento do comércio de amanhã até 7 de abril. “Esperamos que os empresários tenham consciência da necessidade da medida e cumpram a determinação”, falou Zatsuga.

No sábado, antes mesmo do decreto estadual, cerca de 20% do comércio da região central já não funcionou.

Entidade fechada

A ACMC, a partir desta terça-feira, também estará fechada para o atendimento ao público. Durante o período determinado de fechamento – 24/03 a 07/04 -, será mantido apenas o funcionamento do Departamento Médico, com o atendimento das consultas agendadas que não puderem ser remanejadas.

Para orientações, ou em caso de dúvidas, ligue no 97120-3612.

Ao alto, Calçadão da Rua Dr. Deodato Wertheimer, totalmente vazio, sem ninguém. Acima, Rua Barão de Jaceguai, esquina com Padre João, somente alguns carros estacionados. Comércio totalmente fechado – Reprodução câmeras da Prefeitura de Mogi

_________________

Quarentena está em vigor a partir desta terça (24) e vale para os 645 municípios de SP

DE SÃO PAULO – A Quarentena determinada pelo Governo de São Paulo entra em vigor nesta terça-feira (24/03) em todos os 645 municípios do Estado. Durante 15 dias, a medida impõe o fechamento do comércio, exceto os serviços essenciais de alimentação, abastecimento, saúde, bancos, limpeza e segurança.

A iniciativa foi anunciada no último sábado (21/03), em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, na Capital. O fechamento do comércio atinge todas as lojas com atendimento presencial, inclusive bares, restaurantes, cafés e lanchonetes.

Estabelecimentos que servem alimentos e bebidas em mesas ou balcões só poderão atender pedidos por telefone ou serviços de entrega. Só ficarão abertos estabelecimentos com atendimento presencial que prestam serviços considerados essenciais – a quarentena não afeta o funcionamento de indústrias.

O decreto assinado pelo Governador João Doria lista as exceções em seis categorias. Nos serviços de saúde, está liberado o funcionamento de hospitais, clínicas – inclusive as odontológicas – e farmácias. No setor de alimentação, podem funcionar supermercados, hipermercados, açougues e padarias – que não poderão permitir o consumo no estabelecimento durante a quarentena.

No setor de abastecimento, poderão atuar normalmente transportadoras, armazéns, postos de gasolina, oficinas, transporte público, táxis, aplicativos de transporte, serviços de call centerpet shops e bancas de jornais.

Os demais setores que poderão oferecer serviços durante a quarentena são: empresas de segurança privada; empresas de limpeza, manutenção e zeladoria; bancos, lotéricas e correspondentes bancários.

O aumento nas restrições de circulação tem o respaldo do Centro de Contingência contra o Coronavírus do Estado.

 

O que pode funcionar

Na área de saúde, poderão funcionar em caráter de excepcionalidade hospitais, clínicas, farmácias e clínicas odontológicas. Na área de alimentação, só estarão abertos supermercados, hipermercados, padarias e açougues.

O fechamento do comércio atinge todas as lojas com atendimento presencial, inclusive bares, restaurantes, cafés e lanchonetes. Estabelecimentos que servem alimentos e bebidas em mesas ou balcões só poderão atender pedidos por telefone ou serviços de entrega.

“O uso de delivery é uma forma criativa de seguirem funcionando e mantendo o emprego dos profissionais e seus negócios. Solicitamos que empresários sejam criativos e solidários num momento de profunda dificuldade para o país e logicamente para o estado de São Paulo”, disse o governador.

Em relação ao setor de abastecimento, funcionarão transportadoras, armazéns, postos de combustível, oficinas mecânicas, pet shops e bancas de jornais, porém operando com resguardos para os funcionários. Todo o transporte público – ônibus, trens, metrôs e táxis – continuarão a funcionar, assim como os aplicativos de transporte.

Em relação à segurança, todo o sistema de segurança pública e as empresas privadas continuarão a operar normalmente. As empresas de limpeza, de zeladoria e de manutenção públicas e privadas também ficaram fora do decreto.

Os bancos e as lotéricas continuarão a funcionar normalmente para garantir a realização de pagamentos. Doria esclareceu que a construção civil, por enquanto, continuará a operar, assim como os serviços de telemarketing e de call center. “Esses setores [de atendimento por telefone] serão muito demandados daqui para a frente”, justificou.

O governador anunciou ainda que determinou que a Polícia Militar não permita a realização de de eventos e de festas como bailes funk em comunidades. “Vocês são promotores do mal e devem ser condenados por isso. Não faz sentido nenhum a gente querer sobrepor interesses particulares aos das comunidades”, declarou Doria sobre os organizadores de tais eventos.

Sobre o funcionamento da indústria, ele disse que a manutenção do funcionamento das fábricas é essencial para garantir o abastecimento. “Nenhuma medida [até agora] restringe o trabalho das indústrias. O setor não trabalha com atendimento ao público. É essencial que elas funcionem regularmente, com os devidos cuidados para os funcionários. Seu funcionamento é vital para não haver desabastecimento no estado de São Paulo nem no país”, afirmou.

 

 

O que poderá funcionar em caráter excepcional

 

Comércio
Todas as lojas com atendimento presencial devem fechar. Estabelecimentos podem atender por aplicativos ou por serviços online.

Alimentação
Bares, restaurantes, cafés e lanchonetes devem fechar, podendo atender somente por delivery. Supermercados, hipermercados, açougues e padarias podem funcionar, mas não é permitido permitir o consumo dentro do estabelecimento durante a quarentena.

Abastecimento
Transportadoras, armazéns, transporte público, táxis, aplicativos de transporte, serviços de call center e bancas de jornais podem atuar normalmente.

Pet shops
Podem comercializar alimentos e medicamentos veterinários, já que são essenciais para a saúde dos animais.

Serviços de saúde
Hospitais, clínicas – inclusive as odontológicas – e farmácias podem continuar funcionando.

Indústria
Continuam operando normalmente e devem seguir as recomendações para adequar os estabelecimentos às orientações dos órgão competentes.

Construção civil
O setor deve continuar operando com os devidos cuidados sanitários para proteger e amparar funcionários.

Borracharias e oficinas
Devem continuar funcionando para que veículos de transporte, como ambulância e carros de polícia tenham suporte.

Postos de combustíveis
Funcionam normalmente e podem vender produtos elaborados ou não perecíveis, sem consumo no local.

Podem oferecer serviços durante a quarentena:
– Empresas de segurança privada
– Empresas de limpeza
– Manutenção e zeladoria
– Bancos
– Lotéricas

Igrejas e templos
Determinação de fechamento por parte da Justiça de São Paulo.

Serviços de Call Center
Governo Federal determinou que não podem ser interrompidos.