Polícia prende pastor, suspeito de participação em morte de ex-nora, encontrada dia 15 no Taboão, em Mogi

PAULO QUARESMA – DO CORREIO INDEPENDENTE – A polícia prendeu, nesta quarta-feira (23/01), o pastor Adir Neto Teodoro, de 52 anos, da Igreja Assembleia de Deus Ministério do Belém, suspeito de envolvimento na morte da jovem Mirele Peixoto Souza Teodoro, 22 anos, encontrada com um tiro na nuca em um matagal na Estrada do Taboão, no distrito industrial do Taboão, em Mogi das Cruzes. Contra o suspeito já há um mandado de prisão temporária expedido, com validade de 30 dias.

O envolvimento do pastor na morte da jovem, que seria ex-nora do suspeito, foi comprovado em imagens feitas por câmeras de monitoramento de segurança, que flagraram os dois dentro de um veículo. Segundo a polícia, há mais imagens e que mostram dois veículos que passaram duas vezes pelo local onde o corpo foi encontrado.

De acordo com a polícia, o suspeito foi preso no Jardim Marcia, bairro de Suzano que fica nas proximidades da Lagoa Azul e há um segundo envolvido na morte violenta da jovem. Os policiais Setor de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP), da Seccional de Mogi das Cruzes (Demacro), chegaram pela madrugada na casa do suspeito. O filho dele, ex-marido de Mariele, estava lá. Os policiais acordaram o suspeito e lhe deram voz de prisão.

Na Delegacia Seccional de Polícia de Mogi das Cruzes, na tarde desta quarta-feira, o pastor se defendeu? O pastor nega participação no crime. “Não fiz nada, não matei ninguém, não participei de nada e vou falar somente em juízo”.

No entanto, policiais dizem que ela teria admitido que levou a ex-nora até o homem que teria a assassinado.

Mesmo negando participação, Adir e outro jovem, que dirigia um Astra da cor prata, foram vistos na Estrada do Taboão, onde o corpo de Mirele foi encontrado. Segundo a polícia, eles foram flagrados em imagens de câmeras de monitoramento por duas vezes, no horário suposto do crime e depois. O Astra foi encontrado pela polícia. O homem que deve ter matado Mirele pegou ele emprestado de um amigo, que não tem relação com o crime.

.

O pastor pregava em uma igreja da Capital, mas morava em Suzano, cidade onde também mora o seu filho, ex-marido de Mirele. Para a polícia, o ex-companheiro da vítima, filho do suspeito, não tem nada a ver com o crime brutal. Ele e a vítima desse assassinato brutal ficaram juntos um ano e se separaram no início de 2018.

Segundo Celidalva, a mãe da vítima, no dia 15 Mirele saiu de casa bem cedo, na Vila Bancária, bairro da zona leste da Capital paulista. “Ela estava muito feliz, alegre”. Lá pegou um carro de aplicativo de transporte, com um motorista conhecido da família. Desceu cerca de meia hora depois, na Avenida Paes de Barros, também zona leste paulistana. A partir daí, nada se sabe. Só que ela foi encontrada morta a 50 quilômetros de distância, já em Mogi. Para a mãe, ela disse que iria para uma entrevista de emprego, mas na verdade iria se encontrar com o ex-sogro, que iria na sequência levá-la à morte.

De acordo com a policia, Mirele, nas imagens abaixo, com reprodução feita por Hélio Torchi, mostram o pastor e a vítima em uma lanchonete à beira da Rodovia Ayrton Senna.

Ainda segundo a polícia, o corpo da jovem foi encontrado ao meio-dia de 15 de janeiro. Mas às 11h, uma hora antes, ela enviou para a mãe uma mensagem pelo WhatsApp com a comanda desse restaurante. Foi com essa comanda que os investigadores da polícia de Mogi descobriram os últimos passos da jovem.

 

No vídeo abaixo, é possível ver o pastor Adir com a ex-nora Mirele no Voyage que ele alugou para levá-la à morte. O fato de ele não ter usado o próprio carro e alugado um só para esse encontro, para a Polícia Civil de Mogi, é um indício da premeditação do crime. As imagens foram feitas no pátio de estacionamento de um restaurante, localizado na Rodovia Ayrton Senna.

De acordo com as imagens analisadas pelos policiais mogianos, o Astra, com o provável executante do crime, chegou antes ao posto de combustíveis da Ayrton Senna, onde há um grande restaurante. Vinte e seis minutos depois chegaram Adir e Mirele no carro alugado. Quando os dois saem, logo atrás vai o Astra.

 

Para a imprensa, o delegado seccional de polícia de Mogi, Jair Barbosa Ortiz, contou que informalmente Adir revelou que Mirele estava infernizando a família dele. “Aí ele se viu obrigado a eliminá-la para se livrar desa perturbação”, disse.

A arma do crime e o suspeito de ter executado a ex-nora do pastor ainda não foram encontrados pela polícia. O homem já foi identificado pelos policiais e a prisão deve ocorrer nas próximas horas.

Abaixo, imagens de Adir, que tenta esconder as algemas com uma sacola amarela, na saída da Delegacia de Seccional de Mogi das Cruzes, na tarde desta quarta-feira (23/01).

 

 

E como ocorre geralmente em crimes desse tipo, o pastor – mandante do crime – esteve no velório e sepultamento de Mirele, ao lado da esposa.

Na Seccional de Mogi, o filho de Adir, ex-marido da vítima, inconsolável com o desfecho do caso e emocionado, disse que gostaria de saber por que o pai fez isso. “Quero perguntar por que ele estragou a vida dele, e também a minha e a da minha mãe, a família dela”, disse.

Segundo o delegado Rubens José Ângelo, do Setor de Homicídios, disse que o pastor vai responder por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver.

Em nota oficial, logo que soube da prisão e do envolvimento do pastor Adir Neto Teodoro com o crime da ex-nora, a Igreja Evangélica Assembleia de Deus em São Paulo – Ministério do Belém e da Convenção Fraternal das Assembleias de Deus no Estado de São Paulo – CONFRADESP, decidiu suspender o religioso e encaminhar um processo para a sua expulsão da comunidade.

Veja reportagem do Brasil Urgente, apresentado por José Luiz Datena, exibindo a prisão do pastor, envolvido na morte da jovem cujo corpo foi encontrado em Mogi das Cruzes.

Fotos e reprodução das imagens de vídeo: Hélio Torchi

 

LEIA REPORTAGEM ANTERIOR PUBLICADA PELO CORREIO INDEPENDENTE