Polícia identifica mentor intelectual do mega roubo de ouro em Guarulhos

 

PAULO QUARESMA – DO CORREIO INDEPENDENTE – A Polícia Civil de São Paulo identificou o mentor intelectual do roubo de ouro ocorrido no terminal de cargas do aeroporto internacional de Guarulhos em 25 de julho deste ano (leia mais abaixo no fim do texto). Francisco Teotônio da Silva Pasqualini, de 55 anos, já foi condenado e preso por roubo a carros fortes nos anos 80 e  teve a prisão decretada, mas está foragido. O apelido professor é uma alusão ao cabeça dos mega assaltos praticados na série A Casa de Papel, da Netflix.

Ele seria cunhado de Peterson Brasil, um dos funcionários do terminal de cargas presos pela polícia.

Ao todo, a Polícia Civil, por meio do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), identificou seis pessoas envolvidas no roubo de quase 720 quilos de ouro, ocorrido no último dia 25, em Guarulhos. O grupo teve a prisão preventiva decretada pela Justiça, sendo que quatro já estão presos e dois foragidos (incluindo Pasqualini.

Além do roubo de 718,9 quilos de ouro divulgados anteriormente, a polícia informou nesta terça-feira (06/08), em entrevista coletiva, que há um segundo montante de ouro e outros objetos valiosos que foram roubados na ocasião.

“São mais 51 quilos que pertencem a outras empresas. Além desses 51 quilos de ouro, nós temos 15 quilos de pedras preciosas – esmeraldas brutas – e também 1,650 quilos de relógios e um colar da Louis Vuitton [empresa francesa especializada em artigos de luxo], que estava sendo encaminhado para a própria Louis Vuitton na Europa, que eram peças [relógios e o colar] que totalizavam cerca de R$ 90 mil”, disse o delegado Pedro Ivo Corrêa, da 5ª Delegacia Patrimônio (Investigações sobre Roubo a Banco).

Na segunda-feira (05/08), a polícia informou que a Justiça havia decretado a prisão preventiva de seis pessoas envolvidas no roubo. Quatro envolvidos já estavam presos e dois, incluindo o mentor intelectual, estão sendo procurados. O outro homem foragido é dono do estacionamento localizado na zona lesta da capital paulista, onde os carros usados no roubo teriam sido clonados.

“Nós trabalhamos com um número de 14 pessoas [envolvidas no roubo], é uma ramificação de uma organização maior”. Segundo Corrêa, os envolvidos podem ser enquadrados nos crimes de roubo, extorsão mediante sequestro, falsidade ideológica e organização criminosa. O delegado estima que, se condenados, cada um possa pegar mais de 20 anos de pena.

O delegado ressaltou o envolvimento de funcionário do aeroporto no planejamento do roubo, afirmando que ele admitiu a participação, porém não quis imputar a autoria do roubo a ninguém. “A verdade é que, em operações como essa, os criminosos têm informações privilegiadas. Nenhum sistema de segurança é seguro o bastante se tem um funcionário participando junto com os criminosos.”

Segundo informações da Polícia Civil, este funcionário, que já está preso, teve a família sequestrada como forma de pressão para que continuasse a participar do roubo. “Ele concordou em participar e, no final, quando começou a criar obstáculos, o pessoal da organização [criminosa] findou por sequestrar sua família para estimulá-lo a participar [do roubo]”. Para o delegado, o fato de sua família ter sido refém não diminui a participação do funcionário no crime, e ele deve responder por isso.

Antes da execução do crime, houve duas tentativas. A primeira, em março, e a outra, poucos dias antes do roubo. De acordo com o delegado, os criminosos chegaram até o portão, mas desistiram.

A polícia admite que haverá dificuldade para localizar a carga roubada, já que o ouro pode ser derretido e moldado em diferentes formas. O delegado disse que o montante foi dividido entre os envolvidos no roubo, o que também vai dificultar sua localização.

“As investigações vão prosseguir.Nós vamos ter que perder mais um pouco de tempo para ter essa resposta [onde está o ouro]. Temos a informação já de que boa parte do ouro é transportada para o mercado exterior. Através de várias modalidades distintas, o pessoal vai escoando aos poucos, certamente não estará por aqui, nem vai estar nas proximidades”, acrescentou Corrêa.

“Concluímos que parte do ouro está sendo encaminhada ao exterior. Uma das formas é através de formiguinhas, chineses que compram peças de ouro, em filetes pequenos, colocam dentro do celular e encaminham para a China”, disse o delegado Rogerio Luiz Marques.

Um chinês foi preso ontem na região da Avenida Paulista com um total de 1,1 quilos em pequenas peças de ouro que comprava, colocava dentro de celulares e, segundo a polícia, enviava para a China, onde a venda do metal é mais rentável que no Brasil. Foi imputado a ele o crime de evasão de divisas. “De início, não se pode afirmar que o ouro encontrado com esse chinês é derivado do roubo do aeroporto. Pode-se supor que seja uma das formas pela qual saiam do Brasil ouro e pedras preciosas”, afirmou o delegado.

Ainda segundo o delegado Pedro Ivo Corrêa, o grupo é uma ramificação de uma organização maior com suspeita de participação em outros roubos. Diligências prosseguem em andamento.

Entenda o caso

Na tarde do dia 25 de junho, um grupo de criminosos invadiu o terminal de cargas do aeroporto de Guarulhos, na Grande São Paulo, e roubou 718,9 quilos de ouro. De acordo com o delegado que preside o inquérito, a ação foi planejada durante bastante tempo, inclusive com outras tentativas já realizadas.

Para isso, os ladrões renderam um representante da empresa transportadora da carga e sua família um dia antes e, no dia do assalto, chegaram no local em duas caminhonetes clonadas da Polícia Federal com a desculpa que realizariam uma inspeção contra o tráfico de drogas.

Depois da ação criminosa, o grupo fugiu e realizou uma primeira parada na zona leste, onde passaram o ouro para outras duas caminhonetes – Frontier e Hilux. Na sequência, realizaram outro transbordo e fugiram em um veículo ainda não identificado. O funcionário e sua família soram soltos logo após o término da ação criminosa.

 

*Com Deic/Polícia Civil e Agência Brasil