Polícia Federal usará drones para flagrar crimes como boca de urna

Drones vão sobrevoar zonas eleitorais para inibir condutas vedadas

 

Agência Brasil – Brasília – Atenção candidatos: nas eleições municipais de novembro, a Polícia Federal (PF) deverá usar drones para prevenção e repressão de crimes eleitorais, como boca de urna e transporte irregular de eleitores.

De acordo com o órgão, mais de 100 aeronaves pilotadas remotamente deverão ser alocadas em municípios considerados estratégicos, em todos os estados. A intenção é que os equipamentos sobrevoem as zonas eleitorais de modo a inibir e flagrar a prática de condutas vedadas nos dias de votação.

Segundo a PF, os drones possuem câmeras capazes de realizar zoom suficiente para identificar suspeitos, placas de veículos, entregas de santinhos e situações de compra de votos, com imagens de alta nitidez – que podem complicar a vida de candidatos a vereador e prefeito.

Além de complicar os candidatos, a boca de urna, por exemplo, foi a principal causa do encarceramento as eleições municipais de quatro anos atrás, em 2.016,, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A realização de boca de urna no dia das eleições constitui crime eleitoral. Sua previsão legal encontra-se no art. 39, §5º, II, da Lei nº 9.504/1997,.

As imagens capturadas serão transmitidas a uma equipe da PF que estará preparada para monitorar todas a eleição em todo território nacional, determinando a adoção as medidas cabíveis diante de atividades suspeitas, informou o órgão.

Vale lembrar que durante as eleições, as guardas municipais e polícias militar e civil dos Estados também atuarão contra irregularidades.

O primeiro turno das eleições municipais está marcado para 15 de novembro. O segundo turno, onde houver, ocorrerá em 29 de novembro. O horário de votação será sempre das 7h às 17h, no horário local.

Foto: Arquivo