Patrulha Maria da Penha conquista Selo Nacional de Prática Inovadora

A Patrulha Maria da Penha foi anunciada como um dos três melhores projetos do Brasil no enfrentamento à violência contra as mulheres. Desta forma, o órgão ligado à Guarda Civil Municipal (GCM) receberá o Selo Nacional de Prática Inovadora em dezembro, na capital paulista. A novidade foi compartilhada com a Prefeitura de Suzano nesta quarta-feira (31/10) pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, idealizador do reconhecimento.

Segundo o assessor estratégico da Secretaria Municipal de Segurança Cidadã, Jefferson Ferreira dos Santos, a Patrulha Maria da Penha, que é o principal trabalho da administração municipal no combate ao feminicídio, foi o único programa do Estado de São Paulo a ser premiado.

Além do selo, o programa Patrulha Maria da Penha também deverá fazer parte da publicação impressa da revista do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, que será lançada em 8 de março de 2019, e todo o projeto estará descrito na Casoteca digital (http://casoteca.forumseguranca.org.br/) já neste ano.

Nesta etapa, as pesquisadoras Olaya Hanashiro e Maria Carolina Schlittler vieram à cidade no dia 19 de outubro para conhecer, na prática, todo o trabalho promovido pela Patrulha Maria da Penha, assim como demais projetos e ações de enfrentamento à violência contra as mulheres, como a Delegacia de Defesa da Mulher e o Anexo de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, pertencente ao Fórum de Suzano.

Para a presidente do Fundo Social de Solidariedade e dirigente do Serviço de Ação Social e Projetos Especiais (Saspe), a primeira-dama Larissa Ashiuchi, é uma honra Suzano ser reconhecida nacionalmente pelo empenho em combater a violência contra as mulheres e adiantou que o próximo passo será buscar parcerias com a Organização das Nações Unidades (ONU) Mulheres.

O prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi, parabenizou todos os envolvidos e reforçou que este tema continuará sendo tratado com seriedade e as atividades voltadas ao combate da violência às mulheres receberão cada vez mais suporte, a fim de manter o alto padrão de monitoria às vítimas.