Parte das feiras livres de Mogi das Cruzes serão retomadas a partir desta quarta-feira, dia 8. Suzano também retoma com restrições

Feiras voltam a funcionar, mas com restrições

 

PAULO QUARESMA – DO CORREIO INDEPENDENTE * – Mogi das Cruzes e Suzano, duas das principais cidades do Alto Tietê – região que ocupa a porção leste da Grande São Paulo, retomam o funcionamento das feitas livres em seus municípios, mas com restrições. O objetivo é atender tanto o consumidor, quanto os produtores agrícolas da região – considerada o Cinturão Verde do Estado de São Paulo.

Em Mogi das Cruzes, a Prefeitura – por meio da Secretaria de Agricultura, informou que autorizou reabertura das feiras livres, que funcionam de terça a sábado na cidade. Os feirantes deverão atender as medidas de proteção para evitar a disseminação do novo Coronavírus (Covid-19). A partir desta quarta-feira (08/04), somente serão comercializadas frutas, legumes, verduras, carnes, ovos e flores. As feiras noturnas e as que funcionam aos domingos continuam suspensas.

Na cidade, a autorização foi dada a partir desta terça-feira (07/04), data em que os feirantes adquiriram os produtos e receberam as orientações para o funcionamento. “Nosso objetivo com a retomada é manter os empregos dos produtores e feirantes e permitir a aquisição de gêneros nos bairros. Não será permitido a venda de pastel e outros alimentos do gênero”, destacou o prefeito Marcus Melo, durante a live realizada na última segunda-feira (06/04).

As feiras terão um número menor de barracas e o espaçamento entre elas deverá ser de no mínimo 1 metro. O atendimento deverá obedecer a distância de 1 metro entre o cliente e a barraca. Será disponibilizado álcool em gel e os feirantes usarão máscaras. A orientação da Secretaria de Agricultura é de que vá até a feira uma pessoa por residência e que a compra seja feita de maneira rápida. Os clientes não poderão tocar nas mercadorias, que serão colocadas nas sacolas pelos feirantes.

Confira no site da Prefeitura de Mogi das Cruzes a programação das feiras, lembrando que feiras noturnas e as que acontecem aos domingos continuam suspensas

Mercado Municipal

O Mercado Municipal de Mogi, o Mercadão, também está funcionando parcialmente desde o dia 3 de abril. Estão autorizados a funcionar 15 boxes, que comercializam gêneros de primeira necessidade (hortifruti, mercearia e carnes) e ração animal. O acesso é limitado e a entrada é feita pela Rua Coronel Souza Franco, 440. O funcionamento será de segunda à sexta-feira das 8 às 17 horas e aos sábados das 8 às 16 horas. O Mercadão estará fechado aos domingos.

O atendimento da Secretaria de Agricultura está sendo feito pelo telefone 4798-5136, via whatsapp pelo número 4798-5025 e pelo e-mail agricultura@pmmc.com.br 

__________________

Feiras livres serão retomadas com restrições também em Suzano

DE SUZANO – A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Geração de Emprego anunciou que as feiras livres serão retomadas em Suzano, mas com restrições e uma série de medidas preventivas contra a transmissão do novo Coronavírus (Covid-19). Apenas as diurnas poderão retomar as atividades, com funcionamento limite até as 13 horas. Só poderão ser comercializados legumes, verduras, frutas e outros insumos básicos.

Com a prorrogação da Quarentena no Estado de São Paulo por mais 15 dias, Suzano segue com a restrição das atividades comerciais até 22 de abril. Contudo, o município retoma as feiras diurnas como serviço essencial, a fim de garantir a oferta de alimentos básicos à população. Alimentos preparados como pastel, caldo de cana, sucos, yakissoba, salgados, bolos e doces estão proibidos. Também não poderão ser comercializados brinquedos, eletrônicos, ferragens, flores, miudezas, roupas, produtos orientais e demais itens de forma geral.

Poderão funcionar apenas as barracas de frutas; legumes; verduras; mandiocas; milho; cocos e derivados; miúdos; ovos; queijos e frios; e temperos e ervas. Pescados e carnes deverão ser comercializados já limpos ou em bandejas, não sendo permitida a limpeza desses no local.

Os feirantes autorizados a prestar serviços ainda terão que seguir medidas de prevenção contra o novo coronavírus. As barracas terão que disponibilizar desinfetante tipo álcool 70% em todos os acessos, tanto para o cliente como para os colaboradores. Também será preciso higienizar bancadas, balanças e utensílios com álcool 70% e papel descartável ou com solução preparada com 900ml de água para 100ml de água sanitária. O procedimento deve ser adotado antes da montagem das barracas.

A mesma higienização é válida para as máquinas de cartão de crédito e débito, antes do início do trabalho, após cada utilização e no término das atividades. Os feirantes ainda deverão manter uma distância segura no espaçamento entre as barracas. Estruturas com medidas superiores a 8 metros devem ser reduzidas em 2 metros. Além disso, os colaboradores deverão usar máscaras, lavar as mãos com frequência e fazer uso do álcool gel.

É importante destacar que degustação, corte e manuseio de frutas, legumes e temperos estão proibidos. Outras ações, como anúncio de produtos de maneira verbal, montagem de qualquer setor de entretenimento e diversão e uso ou montagem de mesas, cadeiras ou tendas, também não serão permitidas, assim como não será tolerado o estacionamento de veículos atrás das barracas, exceto se fizer parte da atividade. As vendas não devem ultrapassar o horário limite, para que a via esteja totalmente livre até as 14 horas.

A pasta também estabelece que comerciantes que estejam ou tenham contato com pessoas do grupo de risco, como idosos ou indivíduos que possuem doenças crônicas, permaneçam em casa. O mesmo é válido para quem apresenta febre, tosse ou dificuldades para respirar.

O secretário André Loducca afirmou que a decisão pelo retorno das feiras foi tomada em consonância com o Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat). “Cada cidade tem sua particularidade. Em Suzano, a feira será retomada com o único objetivo de servir à população como algo essencial. Vamos seguir com as restrições e as recomendações necessárias, também baseadas na orientação da Secretaria de Estado de Agricultura e Abastecimento”, disse.

 

*Com informações das assessorias de comunicação das prefeituras de Mogi e Suzano