Museus de todo o país têm programação especial até domingo, 19 de maio

 

Bruno Bocchini – Agência Brasil – São Paulo – A 17ª Semana de Museus oferecerá mais de 3 mil atrações em museus de todo o Brasil, a partir desta segunda-feira (13/05) até o domingo (19/05). A atual edição da Semana Nacional de Museus, organizada anualmente pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), terá como tema Museus como Núcleos Culturais: o Futuro das Tradições.

Ao todo serão 3.222 eventos que vão desde mostras e oficinas, a visitas guiadas, debates e apresentações musicais. Em São Paulo, diversas instituições vão participar, entre elas a Pinacoteca de São Paulo, no Parque da Luz, que terá visitas educativas à exposição do artista Ernesto Neto e também à exposição Arte no Brasil: uma história na Pinacoteca de São Paulo.

 

Rio de Janeiro - Para celebrar a inauguração do Museu do Amanhã, na Praça Mauá, aberto pela primeira vez ao público neste fim de semana, a Prefeitura do Rio realiza o Viradão do Amanhã (Tomaz Silva/Agência Brasil)

Museu do Amanhã, na Praça Mauá, realiza uma ação educativa que propõe
conversar sobre a territorialidade dos alimentos, refletir sobre os regionalismos
e o significado de tradição – Tomaz Silva/Agência Brasil

 

O Museu Afro Brasil, no Parque do Ibirapuera, fará uma ação educativa a partir das técnicas e das temáticas do cordel, que apresentará histórias e narrativas afro-brasileiras. O Museu do Futebol, no Estádio do Pacaembu (foto no destaque), haverá um bate-papo sobre o engajamento dos clubes brasileiros diante de questões sociais como violência de gênero e racismo dentro do futebol. Ambos ficam na Capital paulista.

Já no Rio de Janeiro, o Museu do Amanhã, na Praça Mauá, realiza uma ação educativa que propõe conversar sobre a territorialidade dos alimentos, refletir sobre os regionalismos e o significado de tradição. O Museu do Índio, na Rua das Palmeiras, no Flamengo, promove uma oficina de contação de histórias, com o tema “Ouvir, contar, ler e ver. Mitos, lendas e contos, as práticas leitoras e as narrativas culturais indígenas”. Também oferece uma oficina de língua e cultura Guarani, e outra sobre documentação e preservação das línguas indígenas.

O Museu Casa da Moeda do Brasil, na Praça da República, apresenta uma exposição de seu acervo histórico, e outra sobre a Cédula Real.

A programação nacional completa pode ser encontrada em http://programacao.museus.gov.br .

_______________

Museus brasileiros aparecem em lista dos 100 mais visitados do mundo

Jonas Valente – Agência Brasil – Brasília – Museus brasileiros foram incluídos no ranking dos mais visitados do mundo em 2018, divulgado pela publicação especializada Art Newspaper, da Inglaterra. Entre eles estão os quatro Centros Culturais Banco do Brasil: Rio de Janeiro, Brasília, São Paulo e Belo Horizonte. Completa o grupo o Instituto Thomie Otake, em São Paulo.

Anualmente, a Art Newspaper, uma publicação voltada para o mundo das artes, elabora a lista, considerando não somente o número geral de visitação de cada museu ou centro cultural, mas também exposições e categorias (como temas contemporâneos, arte asiática e eventos como bienais).

No ranking geral, o CCBB do Rio de Janeiro apareceu mais bem colocado, em 42º lugar. No total, 1,4 milhão de pessoas passaram pelo local. Em seguida, figuraram na lista o CCBB Brasília em 57º, com 1,14 milhão de visitantes; o CCBB São Paulo em 85º, com 931 mil, e o CCBB Belo Horizonte em 93º , com 893 mil. O Instituto Tomie Othake ficou em 92º lugar, com público de 898 mil pessoas registrado no ano passado.

Na lista de exposições com temas contemporâneos, o CCBB RJ alcançou o 3º e o 7º lugares, respectivamente com o Festival Internacional de Linguagem Eletrônica (FILE), que recebeu 5,8 mil visitantes por dia, e com a mostra Ex-África, com 4,7 mil visitantes diários. O campeão foi a exposição Do Ho Suh: almost home, do museu norte-americano Smithsonian.

 

CCBB de Brasília / Divulgação/CCBB

CCBB de Brasília – Divulgação/CCBB

 

No ranking das exposições mais populares, o CCBB RJ apareceu entre os 30 primeiros, em 11º e em 26º com o Festival Internacional da Linguagem Eletrônica (FILE) e com a Ex-África, respectivamente. Entraram na lista das 100 mais populares também as exposições Jean-Michel Basquiat nos CCBBs SP e BH, o FILE e Museu do Futebol na Área no CCBB BH, Obras-primas Modernas, no Instituto Tomie Othake (SP), e outras duas do CBBB RJ: Ervin Wurm e Prédios Sensitivos.

As mostras com maior média de público foram Heavenly Bodies e Michelangelo: divine draftsman and designer, ambas ocorridas no Museu Metropolitano de Arte, nos Estados Unidos.

 

São Paulo - A exposição Jean-Michel Basquiat, com curadoria de Pieter Tjabbes, será aberta nesta quinta-feira (25) no CCBB-SP (Rovena Rosa/Agência Brasil)

A exposição Jean-Michel Basquiat no CCBB-SP – Rovena Rosa/Agência Brasil

 

Na categoria de melhores atrações pagas, entrou na lista em 15º lugar a Bienal do Mercosul, realizada em Porto Alegre entre 6 de abril e 3 de junho de 2018. No total, o evento recebeu 626 mil pessoas, sendo 10,6 mil por dia. O topo da lista foi ocupado pelo Fórum de Arte de Dhaka, em Bangladesh, que foi visitado por menos pessoas (317 mil), mas teve média diária maior (35,2 mil).

 

São Paulo - Exposição O céu ainda é azul, você sabe... da artista Yoko Ono, no Instituto Tomie Ohtake (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Exposição O céu ainda é azul, você sabe… da artista Yoko Ono, no Instituto
Tomie Ohtake, em São Paulo – Rovena Rosa/Agência Brasil