Mulher é atropelada e morta por motociclista bêbado em Mogi

 

PAULO QUARESMA – DO CORREIO INDEPENDENTE – Um frentista, com uma motocicleta, atropelou e matou Joséfa Maria da Silva, de 53 anos no início da madrugada desta quarta-feira (07/08) na principal avenida da área central de Mogi das Cruzes. A Polícia informa que ele estava alcoolizado e tinha a CNH e documentos do veículo vencidos.

O acidente aconteceu por volta das 1h30, na Avenida Voluntário Fernando Pinheiro Franco, a Avenida dos Bancos, via com pouco mais de dez quarteirões e com pouco mais de 1,1 km de extensão, mas onde os abusos de velocidades acontecem até durante o dia.

Segundo a Polícia Militar, a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) de Renato Augusto da Costa, de 47 anos, que mora no Jardim Aracy, estava vencida há quatro anos e três meses, ou seja, desde de 19 de maio de 2015, assim como a documentação da motocicleta Honda CG-125, com placas EHF-7745, de Mogi.

Na delegacia de polícia, os PMs relataram que ao chegarem ao local do acidente o motociclista apresentava vermelhidão nos olhos, falava com dificuldades e cambaleava. Ao ser questionados pelos policiais, ele admitiu que bebeu antes de pegar a moto.

O frentista concordou em fazer o teste do etilômetro – popularmente conhecido como bafômetro., que detectou 0,72 mg/1 de álcool em seu sangue. Vale lembrar que dirigir sob efeito de álcool ou de substância psicoativa é uma infração prevista no art. 165 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), e no País a tolerância é zero para qualquer nível de concentração de álcool no organismo.

O Artigo 276 é claro e aponta que qualquer concentração de álcool por litro de sangue ou por litro de ar alveolar (nos pulmões) sujeita o condutor às penalidades previstas no art. 165.

A Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), que ajudou na elaboração da Lei Seca, estima que 54% dos motoristas brasileiros fazem uso de álcool antes de pegar o volante. Já a Pesquisa Nacional de Saúde, do Ministério da Saúde em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), indica que 24,3% dos motoristas afirmam que assumem a direção do veículo após ter consumido bebida alcoólica.

Efeitos do álcool

Além de alterar os reflexos do condutor, o consumo de álcool afeta a sobrevivência dos envolvidos em um acidente de trânsito. Segundo a Abramet, o álcool reduz a capacidade de percepção da velocidade e dos obstáculos, diminui a habilidade de controlar o veículo, manter a trajetória e realizar curvas.

A ocorrência foi registrada no 1º Distrito Policial, no Parque Monte Líbano, como homicídio culposo na direção de veículo automotor e pelo frentista dirigir sob influência de álcool. Ele foi preso e encaminhado para a Cadeia Pública de Mogi, que fica ao lado do DP, onde permanece à disposição da Justiça.

Foto: Arquivo