Movimento ‘Pedágio Não’ prepara grande protesto para dezembro

Grupo se reúne nesta segunda, 25, na sede da Aeamc para definir data e como será esse grande protesto

 

PAULO QUARESMA – DO CORREIO INDEPENDENTE – Na manhã deste sábado (23/11), integrantes do movimento Pedágio Não fizeram um ‘adesivaço’ na Avenida Francisco Rodrigues Filho, no semáforo em frente a Praça Kazuo Kimura (mais conhecida como rotatória do Habib´s). E já preparam um grande protesto para dezembro. Este foi o quarto protesto, e em dezembro uma grande manifestação está sendo preparada.

A luta do grupo é para impedir que Agência de Transportes do Estado de São Paulo (Artesp), siga adiante em implantar um pedágio na altura do quilômetro 45 da Rodovia Pedro Eroles (SP-088), a Mogi-Dutra.

De acordo com os manifestantes, cerca de mil veículos foram adesivados. Os manifestantes, com uma faixa com os dizeres “Pedágio, aqui não!” e adesivos onde está escrito “Pedágio Mogi-Doria Não”, buscam conscientizar os motoristas de mais esse encargo que pode ser criado, em uma rodovia que é ligação entre cidades do Alto Tietê e a cesso a duas importantes rodovias, a Ayrton Senna (SP-070) e a Presidente Dutra (BR-116).

Além disso, esse pedágio, se for implantado, vai dividir bairros da própria cidade.

Reunião definirá grande protesto

Nesta segunda-feira (25/11), os responsáveis pelo movimento Pedágio Não se reúnem com entidades, sindicatos e representantes de bairros, às 18h30, na sede da Associação dos Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos de Mogi (Aeamc), Rua Júlio Perotti, 57, esquina com a Avenida João XXIII, no Jardim Armenia. Nesse encontro vão definir como e onde será uma grande manifestação que eles pretendem realizar nos próximos 15 dias.

Durante o protesto da manhã deste sábado, os membros do movimento Pedágio Não distribuíram ainda um manual de como encaminhar uma reclamação no site da Artesp (www.artesp.sp.gov.br) para formalizar seu descontentamento. Além disso, na web ainda há um abaixo-assinado, no endereço http://chng.it/H5NywWM9, que já conta com mais de 30 mil assinaturas.

 

O pedágio que Mogi não quer

A ideia do pedágio na altura do km 45 da Rodovia Mogi-Dutra surgiu quando a Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo) apresentou o projeto de concessão internacional do Lote Rodovias do Litoral Paulista, durante audiência pública realizada em Mogi das Cruzes, em 21 de outubro.

Lá foi possível ver que no bojo dessa concessão — onde estão previstos R$ 3 bilhões em investimentos em obras, além de R$ 2,8 bilhões para a operação e implantação de modernos serviços em trechos das rodovias Dom Paulo Rolim Loureiro (SP-098), a Mogi-Bertioga), da Rodovia Pedro Eroles (SP-088) a Mogi-Dutra (trecho de Arujá ao trevo com  a Ayrton Senna, em Mogi),  e da Padre Manoel da Nóbrega
( SP-055) e Cônego Domênico Rangoni / Rio-Santos – estava esse pedágio na Mogi-Dutra.

A última audiência pública desse processo acontece nesta segunda-feira (25/11). Nessa data, a partir das 10h, a Artesp vai discutir esse e outros assuntos no auditório do Departamento de Estradas de Rodagem (DER.SP), na Avenida do Estado, 777, 5º andar, na Capital.

Após as audiências públicas, o edital proposto ficará disponível no site da Artesp para consulta pública pelo período de 30 dias. Essa etapa visa ampliar ainda mais a participação da sociedade no projeto de concessão do Lote Rodovias do Litoral Paulista.