Moro diz que “policiais não precisam tomar tiro de fuzil para reagir”

 

Vinicius Lisboa – Agência Brasil –  Rio de Janeiro – O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, disse nesta segunda-feira (02/04) que precisa entender melhor as circunstâncias em que o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel,  propôs utilizar atiradores de elite contra criminosos com fuzil, mas afirmou que “policiais não precisam tomar um tiro de fuzil para reagir”. Moro participou da feira LAAD Defesa e Segurança, no Rio de Janeiro, onde ministrou uma palestra.

“O fato é que um policial não precisa levar um tiro de fuzil para reagir. Mas tem que ver em quais circunstâncias que haveria essa autorização”, disse Moro a jornalistas após a palestra.

O ministro ressaltou a importância de combater organizações criminosas, sejam elas facções ou milícias. “Para mim, Comando Vermelho, PCC e milícias são tudo a mesma coisa. Muda um pouco o perfil do criminoso, mas mesmo assim estamos falando de uma criminalidade grave e que tem que ser combatida”.

Pacote Anticrime

Durante a entrevista, Moro disse ter confiança de que o Pacote Anticrime que será aprovado pelos parlamentares no Congresso. “Tenho confiança que, em mais ou menos tempo, com eventuais modificações ou eventualmente até aprimoramentos, o governo vai conseguir aprovar esse projeto”.

Antes da palestra, que foi fechada ao público, o ministro visitou estandes no mesmo pavilhão. Ele visitou o estande da Indústria de Material Bélico do Brasil (Imbel), conferiu carros da montadora Mitsubishi fabricados para a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) e conheceu novas tecnologias como scanners e bloqueadores de sinal de celular e internet para presídios.

Moro defendeu o uso de tecnologia para reduzir custos e aumentar a eficiência do trabalho dos agentes de segurança pública. Na avaliação dele, a segurança nos presídios está entre as áreas que podem ser beneficiadas por novas tecnologias como scanners e bloqueadores. “Temos que investir na tecnologia porque isso faz com que possamos diminuir e facilitar o trabalho dos agentes e também diminuir os recursos financeiros empregados”.

 

 arma roubada feira de defesa e segurança Laad Defence & Security Rio de JaneiroAkemi Nitahara/Agência Brasil

Arma é furtada em feira de segurança
e defesa no Rio

Akemi Nitahara – Agência Brasil – Rio de Janeiro –  Uma arma modelo APX Compact 9 mm foi furtada, na manhã desta terça-feira (02/04), pouco antes da abertura oficial do evento Laad Defence & Security, a maior feira de negócios da área de defesa e segurança da América Latina, que ocorre até sexta-feira (5), no Rio Centro, no Rio de Janeiro. Segundo a assessoria do evento, a pistola foi retirada do estande da fábrica de armas Beretta Defense Technologies.

O espisódio ocorreu no momento em que estavam no local o presidente da República em exercício, Hamilton Mourão, o governador do Rio, Wilson Witzel, e o prefeito da capital fluminense, Marcelo Crivella.

Segundo a Laad, todas as armas expostas estão sem o percursor, que é o mecanismo para atirar. O modelo furtado custa cerca de 400 euros, o que equivale a mais ou menos R$ 1.500. Por volta de meio-dia, a empresa recolheu todas as pistolas em exposição.

Em nota, a Laad Defence & Security informou que “as autoridades militares responsáveis pelo licenciamento de armas de fogo na LAAD foram informadas e compareceram imediatamente ao local do incidente”.

A organização da feira disse que está “ajudando as autoridades relevantes em suas investigações”.

No estande, os representantes disseram que não iriam comentar o caso.

 

Presidente da República em Exercício, Hamiltom Mourão, durante Cerimônia de Abertura da 12º Edição da LAAD , Feira de segurança e defesa

O presidente da República em exercício, Hamilton Mourão, durante cerimônia de abertura da 12º Edição da LAAD , feira de segurança e defesa – Romério Cunha/VPR