Ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, lança em Suzano projeto-piloto de prevenção ao suicídio

 

DE SUZANO – O município de Suzano (no Alto Tietê, porção leste da Grande São Paulo) recebeu na tarde desta segunda-feira (13/05) a visita da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves. Ela esteve no Cineteatro Wilma Bentivegna, acompanhada do prefeito Rodrigo Ashiuchi e de autoridades do município e do Alto Tietê, para lançar oficialmente a campanha “Acolha a Vida”, um projeto-piloto do governo federal de prevenção ao suicídio e à automutilação de crianças e adolescentes no País que começará na cidade. A presença da representante do presidente Jair Bolsonaro ocorreu no dia em que a tragédia na Escola Estadual Professor Raul Brasil completa dois meses.

A ministra explicou que esta é uma parceria voltada à saúde mental de jovens, principalmente nas escolas, a partir de capacitação de profissionais de vários ramos de atuação e acompanhamento do público-alvo e de seus familiares. “Queremos ensinar a ler os sinais que as crianças e os adolescentes em sofrimento estão emitindo, trabalhando a prevenção e também períodos subsequentes aos casos registrados. Vamos salvar vidas e vamos começar por Suzano, sem bandeira partidária e sem qualquer tipo de alarde. Faremos um trabalho sério, científico e silencioso”, destacou Damares.

A ministra trouxe durante o evento dados estatísticos que mostram um cenário que considera de epidemia no mundo todo. Um levantamento mostra que o suicídio é a segunda causa de morte entre jovens, principalmente dos 12 aos 18 anos e em sua maioria entre as garotas. A cada ano, 120 mil pessoas tentam tirar a própria vida e 12 mil conseguem concretizar, o que torna o Brasil no 8º País no mundo nesse quesito. Estima-se que 20% dos jovens estão se automutilando atualmente.

“E esses números devem aumentar, porque agora temos uma lei federal (nº 13.819/2019) que obriga a notificação de casos de tentativa de suicídio e de automutilação, em especial por parte das escolas, que terão de nos informar sobre essas ocorrências”, disse. O objetivo é implementar um observatório estatístico que permita entender o fenômeno e saber onde ocorre com maior intensidade.

Trabalho

A previsão é de que na próxima semana a pasta comece a elaboração do organograma das ações da campanha “Acolha a Vida”, que na cidade terá o slogan “Suzano Sem Dor”. A iniciativa envolverá quatro Ministérios: da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos; da Saúde; da Educação; e da Cidadania. Suzano é uma das quatro cidades da América do Sul onde ocorrerá esse trabalho, já apresentado à Organização das Nações Unidas (ONU) e que também será levado a Portugal. “É um projeto-piloto para o mundo. Suzano ajudará a salvar crianças e adolescentes de todo o planeta”, comentou Damares.

A atuação na cidade envolverá capacitações de professores, conselheiros tutelares, líderes religiosos, jornalistas, advogados, policiais, médicos e também familiares de crianças e adolescentes. Em um segundo momento começará o trabalho com os alunos, já que o foco principal será nas escolas de Suzano. Para isso, serão colocados à disposição profissionais de psiquiatria, psicologia e estudantes universitários. O tempo de desenvolvimento desse projeto-piloto e os detalhes de como ocorrerá na prática ainda serão definidos.

Qualidade de vida

Para o prefeito Rodrigo Ashiuchi, a escolha de Suzano para estar na vanguarda deste projeto-piloto federal é motivo de orgulho e de satisfação. Ele destacou a importância da junção de projetos importantes que possam promover a melhoria da qualidade de vida da população, como o da criação do Complexo da Família no antigo prédio do Restaurante Popular, já solicitado pela primeira-dama Larissa Ashiuchi durante visita ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos no mês passado.

“As variáveis dessa equação, em uma verdadeira junção de esforços, irão culminar em um resultado positivo como resposta à sociedade de que estamos preocupados com as famílias, com as pessoas, principalmente crianças e adolescentes. E teremos à frente uma mulher de muita garra e de muita disposição”, enalteceu o chefe do Executivo.

Um dos articuladores da vinda da ministra a Suzano foi o deputado federal Marco Bertaiolli, que se reuniu com ela dias atrás em Brasília e sugeriu a escolha da cidade para iniciar a campanha “Acolha a Vida”, que, até o final do ano, deverá ser ampliada para cerca de metade do País. “O lançamento desta iniciativa é um exemplo de altruísmo que rege o governo federal, para unir forças, independentemente das cores partidárias”, comentou o parlamentar. “A Damares é uma ministra do mais alto quilate, que enfrenta muitas dificuldades no dia a dia, mas que se mantém firme para que o trabalho ocorra”, complementou o deputado estadual Estevam Galvão de Oliveira.

Presenças

Entre os presentes no Cineteatro Wilma Bentivegna estavam a primeira-dama Larisa Ashiuchi; a prefeita de Santa Isabel, Fábia Porto; os secretários municipais Jefferson Ferreira dos Santos (Segurança Cidadã), Luis Cláudio Guillaumon (Saúde); Arnaldo Marin Junior (Esportes e Lazer), Said Raful Neto (Governo), Leandro Bassini (Educação), Murilo Inocencio (Assistência e Desenvolvimento Social) e Claudinei Valdemar Galo (Transporte e Mobilidade Urbana); o chefe de Gabinete, Afrânio Evaristo da Silva; o comandante da Guarda Civil Municipal (GCM), Sérgio de Assis Andrade; os vereadores Joaquim Antônio da Rosa Neto, Neusa dos Santos Oliveira, Edirlei Junio Reis, Lisandro Frederico, José Izaqueu Rangel, Denis Claudio da Silva, José Silva de Oliveira e Marcos Antonio dos Santos; e o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Suzano, Wellington Silva; além de servidores municipais e representantes das cidades de Mogi das Cruzes, Poá e Itaquaquecetuba.

Fotos: Wanderley Costa/Secop Suzano

__________________

Bertaiolli participa de lançamento do programa de combate ao suicídio

O deputado federal Marco Bertaiolli participou na tarde desta segunda-feira (13/05) do lançamento do programa que estabelece a Política Nacional de Prevenção da Automutilação e do Suicídio. A apresentação ocorreu em Suzano, já que o município viveu um dos piores momentos da história, com a chacina da Escola Estadual Raul Brasil, há dois meses.

“É preciso amparar e orientar os adolescentes, dar estrutura a estas famílias, construir uma rede de atendimento e acolhimento psicológico”, destaca o deputado, acrescentando que os números de suicídios se tornaram assustadores. A última estatística oficial aponta que de 2007 a 2016, 106.374 pessoas morreram em decorrência do suicídio — em 2016, a taxa foi de 5,8 por 100 mil habitantes. “Isso dá uma média de um suicídio a cada 46 minutos no Brasil, fora aqueles que não são registrados oficialmente”, destacou.

Aliás, a oficialização destes dados e o encaminhamento de políticas públicas são os motes que sustentam o programa lançado pela ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves. “O projeto prevê a notificação compulsória por parte de estabelecimentos de saúde, segurança, escolas e conselhos tutelares, apresentando assim um mapa real para que as ações possam ser direcionadas e multidisciplinares envolvendo diversos segmentos, inclusive na área da Saúde”, detalhou.

Só para se ter uma ideia, o suicídio é, hoje, a segunda causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos no Brasil. Entre os homens nesta faixa etária, é o terceiro motivo mais comum; entre as mulheres, o oitavo. “Vem atingindo todas as idades, mas no caso dos jovens e adolescentes a situação é ainda mais preocupante porque tem a automutilação. Essa faixa de idade já é bastante complicada por uma série de mudanças no corpo, hormonal e no psicológico dos jovens, e somando a isso tudo, ainda tem a influência das redes sociais”.