Ministério Público faz busca em gabinete de vereador de Mogi

Um dos alvos é o vereador Mauro Araujo (MDB). Investigação é sobre corrupção e lavagem de dinheiro

 

PAULO QUARESMA – DO CORREIO INDEPENDENTE – Desde as primeiras horas da manhã desta quarta-feira (13/11), promotores público do Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP), com o auxílio da Força Tática da Polícia Militar, estão nas dependências da Câmara Municipal de Mogi das Cruzes, no Centro Cívico. O objetivo cumprir mandato de busca e apreensão de documentos no gabinete do vereador Mauro Araujo (MDB), futuro presidente do Legislativo mogiano, a partir de 2020.

De acordo com o primeiro promotor de Justiça do MP-SP em Mogi das Cruzes, Kleber Henrique Basso, foi feita a busca e apreensão de documentos e elementos de prova relacionados a eventual lavagem de dinheiro e corrupção não só no Legislativo Mogiano como também em outros quatro endereços. A investigação está em curso no MP, no núcleo de Patrimônio Público,  “Estamos cumprindo ordem judicial para apreender documentos do vereador, e também do empresário Joel Leonel Zeferino”.

O promotor disse, ainda, que nesses outros quatro endereços onde também foram apreendidos documentos, está o do empresário, o da residência de Mauro Araújo e também outros locais profissionais. Em um deles, que seria do parlamentar, hoje funciona outra empresa.

Sobre qual é o motivo dessa investigação, o promotor disse que não pode dar detalhes, mas foi verificado que há indícios de incompatibilidade entre o patrimônio do vereador. “A investigação apura se os bens dele é incompatível com os rendimentos de vereador”, afirmou Basso. O motivo que levou à essa investigação tenha a ver com o caso em que o vereador e o empresário foram lesados ao adquirirem veículos em um site falso de leilão. Os dois acabaram pagando e não tiveram os carros, pois o site era de bandidos. (mais detalhes abaixo)

Na ocasião dois foram dar queixa na Polícia Civil e isso acendeu o farol vermelho no Ministério Público.  O Promotor Kleber Henrique Basso disse ainda que o MP investiga a relação do empresário Joel Leonel Zeferino com o vereador Mauro Araujo. Isso porque o empresário, que é do ramo da construção civil, e o MP quer saber por que existe essa relação financeira entre os dois. “Verificamos que algumas entre eles, de intermediação de alguns negócios, de algumas obras, e daí nós prosseguimos com as investigações”. Para o promotor, Araújo se valia do cargo de vereador para pedir favores para terceiros ou próprio.

De acordo com Basso, a partir de agora todos os documentos que foram apreendidos serão analisados pelo MP. “Essa investigação está bem adiantada. Todo o processo está bastante adiantado e depois de tudo analisado será decido se o MP vai oferecer ou não à Justiça e a Fazenda Pública de Mogi uma denúncia contra o vereador. Caso processado, o vereador será alvo em uma ação penal e em outra civil pública por improbidade, assim como o empresário, Araujo poder perder as funções públicas.

O vereador Mauro Araújo deverá ser ouvido, em breve, pelo Ministério Público em Mogi. A reportagem do CORREIO INDEPENDENTE pediu à assessoria de imprensa da Câmara de Mogi uma nota oficial do presidente do Legislativo, vereador Rinaldo Sadao Sakai (PL), mas foi informada que ele deve falar com a imprensa sobre o caso durante a sessão ordinária que acontece a partir das 15h desta quarta-feira.

A reportagem também não conseguiu falar com o vereador Mauro Araujo e com o empresário Joel Leonel Zeferino.

 

 

______________

O leilão em que Mauro e Joel foram lesados

Em março, Mauro Araújo e o empresário Joel Avelino foram alvos de um golpe de um falso leilão de carros. Na ocasião, os dois deram lances e arremataram 12 veículos: nove em nome de Araujo e três no nome do empresário, mas ficaram a ver navios, perdendo mais de R$ 380 mil.

Quando eles ligaram um dia depois para um telefone que constava no site para se inteirarem sobre a entrega dos carros, não obtiveram sucesso. Foi então que  decidiram ir até o endereço. Só que era em uma estrada rural de Mogi, onde havia sim, um pátio de veículos, mas nada relacionado à empresa de leilões. Aí perceberam que foram vítima de um golpe.

Na ocasião, Mauro Araújo perdeu R$ 314.298,00 e Leonel Zeferino R$ 67.491.00.

Não há informação se, posteriormente, os dois conseguiram receber os veículos.