Metrô e CPTM reforçam campanhas de combate ao assédio no transporte

Nas duas companhias, seguranças uniformizados e à paisana fazem rondas. Veja os canais para reclamar

 

DE SÃO PAULO – A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e o Metrô têm intensificado as campanhas de conscientização e as ações de combate ao assédio. Vale destacar que a Secretaria de Transportes Metropolitanos (STM) repudia o abuso sexual dentro ou fora do ambiente das estações e age para coibir esse tipo de crime.

A pasta reforça que a segurança de todos os passageiros é uma prioridade da STM e empresas vinculadas. Por isso, nas duas companhias, agentes de segurança uniformizados e à paisana fazem rondas regulares em trens e estações e atuam imediatamente quando há ocorrência.

Também é feito monitoramento por meio de câmeras. Além disso, campanhas nas redes sociais e mensagens sonoras nos trens e estações incentivam os passageiros a denunciarem.

Na CPTM, foram notificados 133 casos de abuso sexual no ano passado. Em 2019, até março, houve 34. No Metrô, em 2018, foram 137 registros. No período de janeiro a março deste ano, o total chega a 28 ocorrências.

Denúncias

A passageira importunada deve informar o fato imediatamente a um funcionário, apontando o autor, para que sejam conduzidos a uma delegacia. Todos os cidadãos podem colaborar com a segurança do sistema.

Na CPTM, o SMS-Denúncia atende pelo número (11) 97150-4949. No Metrô, além do SMS-Denúncia pelo telefone (11) 97333-2252, o passageiro pode enviar informações, fotos e vídeos de ocorrências pelo aplicativo Metrô Conecta.

As equipes de segurança das empresas são treinadas para acolher a vítima, dar orientações e oferecer a possibilidade de encaminhamento à Delegacia de Polícia do Metropolitano (Delpom), a distritos policiais da região ou a uma Delegacia da Mulher.