Ao buscar bola em lago, jovem de 19 anos morre afogado no Parque Centenário

Morte ocorreu na tarde quente deste domingo, dia 8, em Mogi. Lagos do parque mogiano têm inúmeras placas de advertência

 

PAULO QUARESMA – DO CORREIO INDEPENDENTE * – O desconhecimento dos perigos nos quatro lagos do Parque Centenário e desobediência das várias placas de advertência não foram suficientes para evitar que um jovem de 19 anos entrasse nas águas e morresse afogado. O fato aconteceu por volta das 16h40 da tarde deste domingo (08/12) de muito calor em Mogi das Cruzes e toda a região.

Segundo integrantes do 17º Grupamento do Corpo de Bombeiros de Mogi das Cruzes , Gustavo Monteiro teria entrado na água para resgatar uma bola que foi atirada lá. Segundo amigos que estavam com ele no parque, o jovem disse que sabia nadar, mas entrou em um dos lagos do Centenário e acabou desaparecendo. Um dos amigos ao ver que ele se debatia na água, também pulou no lago, mas não conseguiu salvá-lo e retornou.

O desespero dos frequentadores do lago foi grande. Afinal, muitos que costumam frequentar o local nunca tinham visto uma ocorrência de afogamento por lá. Foi muito grande o número de curiosos que correram até o local e precisaram ser contido pelos guardas municipais que trabalham no Parque Centenário (onde há uma base fixa da unidade).

Os bombeiros iniciaram as buscas e por volta das 18h30 o corpo do jovem foi encontrado. O jovem era estudante e fazia estágio em uma concessionária de energia elétrica.

A Polícia Civil informou que uma perícia será realizada nesta segunda-feira (09/12, dia em que normalmente os parques da cidade permanecessem fechados para a manutenção semanal.

Atenderam a ocorrência viaturas da Guarda Municipal, Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

A Polícia Civil requisitou o exame necroscópico na vítima fatal e o de corpo de delito no amigo que tentou salvá-lo, pois este ficou com escoriações pelo corpo. A ocorrência foi registrada no 1º Distrito Policial, no Parque Monte Líbano.

 

Lagos profundos

O local onde o estudante se afogou tem, em média, 12 metros de profundidade. O Parque Centenário foi instalado em um antigo local de extração de areia pela Empresa de Mineração Lopes que operava na década de 1970 por lá, em razão da proximidade com o Rio Tietê. A técnica utilizada pela Mineração Lopes era a de desmonte hidráulico (operação de lavra mediante uso de jatos d’água sob pressão, direcionados à frente de lavra, para desagregar o minério e permitir sua condução, na forma de polpa, para classificação). Isso resultou na formação dos quatro lagos naturais do parque. Depois disso, o local chegou a ser utilizado como pesqueiro, até que na gestão do ex-prefeito Junji Abe se transformou em parque público.

*Colaborou Marcelo Arruda

A vítima fatal do afogamento no Parque Centenário – Foto: reprodução Facebook

Fotos cedidas por Roberto Pereira e Julio César de Souza