Falta de local de parada é criticada próximo da estação Mogi da CPTM

Com gradis no lado direito da Praça Sacadura Cabral, local para embarque e desembarque foi retirado

 

PAULO QUARESMA – DO CORREIO INDEPENDENTE – As reformas na área central de Mogi das Cruzes, mais especificamente no que restou da Praça Sacadura Cabral, desagradaram motoristas que precisam deixar ou pegar pessoas que vão embarcar ou desembarcam dos trens da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) na Estação Mogi das Cruzes. Muita gente critica, também, o fato de as obras serem feitas em “capítulos”, o que deixa todos desorientados sobre o que pode ou não.

A reportagem do CORREIO INDEPENDENTE verificou que muita gente usava o lado direito – agora fechado com gradis – para parar o carro pelo tempo suficiente para pegar ou deixar alguém na estação. Além do cidadão comum, representantes dos motoristas de aplicativos estiveram na Prefeitura e foram recebidos para discutir suas reivindicações. Durante a reunião, também foram esclarecidas dúvidas sobre as intervenções e medidas realizadas.

“Minha sogra tem problemas sérios de mobilidade, e eu precisei parar ao lado do gradil para que ela ficasse mais perto da estação da CPTM. O agente de trânsito me abordou e eu disse claro e em bom som que ele podia me multar, pois eu não tinha outra alternativa”, disse um motorista revoltado, que pediu para não ser identificado, com medo de represálias. “Não sei se fui canetado. Vou esperar para ver”, complementou.

A Prefeitura de Mogi, por meio da Coordenadoria de Comunicação, explicou que “para compensar a retirada do local que era usado anteriormente para embarque e desembarque de passageiros de veículos particulares e passageiros de aplicativos [do lado direito da Sacadura Cabral], foram criadas duas vagas de embarque e desembarque no outro lado da via. Além disso, existem duas vagas de carga e descarga no início da rua Princesa Isabel de Bragança, a cerca de 20 metros da Estação Mogi das Cruzes da CPTM que também podem ser utilizadas”.

Mas essa medida é desconhecida pelos motoristas ouvidos. “Para saber que existe essas vagas do lado oposto, só mesmo andando a pé pelo local, para ver se existe sinalização condizente, ou já tendo parado nelas”, reclama Mário José Andrade, que estava desorientado sobre o que avisar à esposa e filha – que iriam chegar de trem vindas de São Paulo – de onde ele estaria.

Ainda de acordo com a Coordenadoria de Comunicação, a Secretaria Municipal de Transportes permanece monitorando a região para verificar a necessidade de outras adequações que possam ser necessárias no local. “É importante lembrar que os motoristas por aplicativo podem fazer o embarque e desembarque de passageiros em qualquer local em que seja permitido o estacionamento ou a parada de veículos” disse a Prefeitura em nota.

 

Volta grande

A reportagem do CORREIO INDEPENDENTE verificou que na dúvida sobre onde parar, os motoristas têm que seguir adiante, virar à esquerda na Rua Princesa Isabel de Bragança, seguir até a próxima esquina, pegar a Barão de Jaceguai, seguir pela Praça Oswaldo Cruz, contorná-la para depois pegar novamente, mais á frente, à Rua Dr. Ricardo Vilela e voltar às proximidades da estação Centro da CPTM.

“Tentei parar, mas vi os gradis, e ninguém para nos orientar, aí segui adiante em busca de lugar de parada, acabei seguindo pela Governador Adhemar de Barros – que corre paralela com os trilhos da CPTM, atravessar a Rua Presidente Campos Salles, e só na Praça da Maçonaria – ao lado do restaurante Opção Grill, virar à esquerda para acessar  a Rua Professor Flaviano de Melo e iniciar, novamente, o retorno à área da estação. Só da estação até a Maçonaria são 796 metros, fora todo o retorno pela Flaviano”, disparou Antero Luiz Gomes, bastante nervoso e preocupado com quem teria que buscar na estação.

Sobre a Praça Sacadura Cabral, a Secretaria Municipal de Transportes informou ainda que está realizando intervenções na região para melhoria da segurança viária, principalmente dos pedestres que circulam naquele setor da cidade, que dá acesso à Estação Mogi das Cruzes da CPTM. Este trabalho inclui a implantação de um novo semáforo com botoeira sonora para travessia de pedestres, melhoria na sinalização e a implantação de gradil para disciplinar a travessia da rua Doutor Deodato Wertheimer, evitando que as pessoas atravessem em meio ao trânsito de veículos, comportamento que traz riscos de atropelamento.

Foto: Isabel Cristina Roque / CORREIO INDEPENDENTE