Embate sobre ‘nova CPMF’ faz Paulo Guedes demitir Marcos Cintra

 

DO CORREIO INDEPENDENTE – DE BRASÍLIA * – O secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, foi exonerado do cargo, a pedido, informou nesta quarta-feira (11/09) o Ministério da Economia. Em seu lugar assume, interinamente, o auditor fiscal José de Assis Ferraz Neto.

Na realidade, Marcos Cintra foi demitido pelo ministro Paulo Guedes pela rejeição do Congresso à proposta de reforma tributária, que inclui a criação de um novo tributo nos moldes da extinta CPMF., aumentando as divergências no projeto da reforma tributária. Segundo apurou a reportagem, a recriação da CPMF ou aumento da carga tributária estão fora da reforma tributária por determinação do Presidente Jair Bolsonaro.

Cintra terminou de balançar no cargo quando o secretário-adjunto da Receita, Marcelo Silva, antecipou que a proposta para a criação dessa contribuição sobre pagamento (CP) teria alíquotas de 0,2% a 0,4% sobre cada movimentação financeira bancária.

Na nota em que anuncia a exoneração do secretário, o ministério esclarece “que não há um projeto de reforma tributária finalizado. A equipe econômica trabalha na formulação de um novo regime tributário para corrigir distorções, simplificar normas, reduzir custos, aliviar a carga tributária sobre as famílias e desonerar a folha de pagamento”.

O ministério disse ainda que a proposta do governo “será divulgada depois do aval do ministro [da Economia] Paulo Guedes e do presidente da República, Jair Bolsonaro”.

O ministro Paulo Guedes agradeceu ao secretário Marcos Cintra os serviços prestados.

*Com Blog do Planalto e Agência Brasil