Suzano: ginecologista de 41 anos é preso em clínica particular, suspeito de abusar de pacientes de 19 e 23 anos, entre outras vítimas

Polícia descobriu, após queixa de suzanense, que médico já tinha contra ele outras queixas, em São Paulo e também em Pernambuco

 

PAULO QUARESMA – DO CORREIO INDEPENDENTE – A Polícia Civil prendeu, na manhã desta segunda-feira (05/10) em uma clínica particular na Vila Mazza, o ginecologista  José Adagmar Pereira de Moraes, de 41 anos, que é suspeito de abusar sexualmente de uma paciente de 19 anos em Suzano, cidade do Alto Tietê – sub-região Leste da Grande São Paulo.

O médico possui registro regular no Cremesp (Conselho Regional de Medicina de São Paulo). A entidade, em nota, informou que todas as sindicâncias e processos-éticos contra o ginecologista tramitam sob sigilo.

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Suzano desde setembro, quando foi registrado o boletim de ocorrência da jovem, mas contra o médico há outra queixa, feita na Vila Formosa, bairro da Zona Leste de São Paulo, e também três no estado de origem do médico, Pernambuco, no Nordeste brasileiro.

A jovem suzanense contou aos policiais da DDM que durante uma consulta o ginecologista disse que o problema dela não era físico, mas psicológico, e que ela teria que ter mais relações sexuais, até com outros parceiros, que não o namorado. Segundo a jovem, a partir daí o médico começou a tocá-la de uma forma inapropriada, fazendo massagens de forma inadequada e criminosa, e perguntava se ela estava sentido algum prazer. Ele pedia que a suzanense tirasse e colocasse a roupa e, durante toda a consulta, recomendou a ela que o que acontece dentro do consultório deveria ficar dentro do consultórios. “Ele disse isso várias vezes durante a consulta”. Ao final do atendimento, ele pediu que ela voltasse após 15 dias, mesmo que os exames não estivessem prontos.

 

Outras queixas

Após a queixa, a DDM pesquisou o nome do médico e descobriu que contra ele já havia queixas de tres vítimas em Pernambuco e, menos de um mês antes de assediar a jovem em Suzano, havia uma consulta abusiva na Vila Formosa, contra uma jovem de 23 anos que também procurou a polícia após ser molestada pelo ginecologista. A jovem paulistana relatou praticamente os mesmos atos que a adolescente de Suzano contou à DDM.

 

Justiça decretou prisão preventiva

A delegada titular da DDM de Suzano, Silmara Marcelino, solicitou à Justiça a prisão temporária do ginecologista por 30 dias, mas o juiz da  1ª Vara Criminal de Suzano entendeu, pela gravidade dos casos, que caberia prisão preventiva, sem tempo definido.

A prisão foi feita Centro Clínico de Suzano do Grupo NotreDame Intermédica, onde o médico atuava em Suzano e em São Paulo. A direção da NotreDame disse que afastou definitivamente o médico das suas funções.

Com a prisão do ginecologista, a delegada da DDM suzanense acredita que outras vítimas do médico deverão prestar queixa contra ele.

 

Assista reportagem do Cidade Alerta, da Record TV, sobre esse caso

Foto: Reprodução site do Conselho Regional de Medicina / SP