Doações caem 60% nos bancos de leite materno no Estado de SP

Alerta é feito no Dia Nacional de Doação, comemorado hoje

 

Camila Boehm – Agência Brasil – São Paulo – Esta terça-feira (19/05) é o Dia Nacional de Doação de Leite Materno, uma iniciativa para a proteção e promoção do aleitamento materno. De acordo com o Ministério da Saúde, o ato pode salvar vidas, já que cada 300 mililitros (ml) do alimento sustentam, em média, dez recém-nascidos. No entanto, devido à pandemia do novo Coronavírus, as doações caíram cerca de 60% nos bancos de Leite Humano do Estado de São Paulo. (veja a situaçao de Mogi das Cruzes no fim do texto)

O banco do Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros, centro de referência da Grande São Paulo (Capital e outros 38 municípios), é o maior do Estado, mas está trabalhando com apenas 10% da quantidade ideal. Atualmente, a unidade opera com 10 litros de leite por mês, embora o ideal seja de 50 a 100 litros. O volume disponível atende à unidade neonatal do hospital por apenas três dias. A amamentação é fator de redução da mortalidade na infância, segundo o Ministério da Saúde.

Toda lactante saudável pode ser doadora, e qualquer volume doado é aceito pelos bancos. Os bebês prematuros começam a nutrição com apenas 1ml de leite, portanto não é preciso ter grande produção de leite para ser doadora. “Se uma mulher conseguir retirar e guardar 10 ml por dia, ao final de dez dias encaminhará ao Banco de Leite 100 ml, que serão fundamentais para a evolução de muitos bebês”, disse a coordenadora do banco do Hospital Leonor, Andrea Fernandes.

A Rede de Bancos de Leite Humano de São Paulo é a maior do país, com 56 unidades com vínculos estaduais, municipais, filantrópicos ou privados. Em 2019, foram coletados 55.313,3 litros de leite humano de 42.858 doadoras, distribuídos para 43.023 bebês.

Prevenção da Covid-19

Segundo a Secretaria de Saúde do estado, a doação de leite humano é segura, o processo de pasteurização inativa o coronavírus e os procedimentos e rotinas no banco de leite estão de acordo com as normas nacionais para prevenir a infecção e propagação da Covid-19. “Precisamos frisar a importância da doação, principalmente em momentos como este. Independentemente da epidemia, os prematuros continuam nascendo, e o leite humano proporciona vida a esses pequenos”, disse Andrea.

Para reduzir a circulação e aglomeração de pessoas, de acordo com as orientações estaduais, os atendimentos para a doação são agendados. Há ainda a opção de coleta domiciliar, por meio da parceria do Hospital Maternidade Leonor Mendes com o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

________________

Banco de Leite de Mogi das Cruzes também enfrenta o problema e precisa de doadoras

 

DE MOGI DAS CRUZES – O Banco de Leite Humano de Mogi das Cruzes,que funciona no prédio do Pró-Mulher, no Mogilar, enfrenta os mesmos problemas que seus similares pelo estado afora, e mesmo com esse isolamento social apela para doadoras (veja restrições no fim do texto).

O Banco de Leite Humano de Mogi das Cruzes é um serviço especializado, responsável por ações de promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno e a captação de doadoras de leite humano destinado aos bebês prematuros internados na UTI da Santa Casa de Misericórdia de Mogi das Cruzes. A unidade oferece assistência às gestantes e nutriz em aleitamento materno, esclarecimento de dúvidas, orientações gerais e auxílio teórico/prático no manejo da amamentação. Coleta, transporte, processamento e distribuição de Leite Humano

Importância do leite materno

O leite materno possui tudo o que o bebê precisa até os seis meses de vida. Assim, a doação de leite é uma importante estratégia para a redução de mortes em bebês. Um litro de leite materno pode alimentar até 10 recém-nascidos por dia.

Bebês prematuros ou de baixo peso (menos de 2,5 kg) precisam do leite materno para se recuperarem mais rápido e crescerem mais fortes e saudáveis. No Brasil, por ano, cerca de 330 mil crianças nascem prematuras e precisam da doação de leite, já que permanecem sendo assistidas nos hospitais e maternidades. Os bebês prematuros representam, em média, 11% do total de crianças que nascem anualmente, em torno de 3 milhões. Diante deste cenário, o Ministério da Saúde convida todas as mulheres que amamentam a doarem seu leite e ajudarem a aumentar os níveis dos estoques dos Bancos de Leite Humano.

Como doar

Toda mulher que amamenta é considerada uma possível doadora de leite humano – basta estar saudável e não tomar nenhum medicamento que interfira no processo. Quem estiver amamentando e quiser doar deve procurar o banco de leite mais próximo. A lista completa pode ser consultada no site http://www.redeblh.fiocruz.br.

O pote de leite materno não precisa estar completamente cheio para ser doado. Um pote de leite materno doado pode alimentar até 10 recém-nascidos por dia. Dependendo do peso do prematuro, 1ml já é o suficiente para nutri-lo cada vez que ele for alimentado.

A orientação é buscar o Banco de Leite Humano ou Posto de Coleta de Leite Humano mais próximo da residência para que possa fazer a doação. Outra opção é ligar no Disque Saúde 136 para obter todas as informações ou tirar dúvidas.

De acordo com a Secretaria de Saúde do Estado, para doar, basta seguir as normas higiênico-sanitárias de coleta do leite humano, coletar em recipiente de vidro esterilizado, armazenar em congelador por até 15 dias, ligar para o banco mais próximo de sua residência.

Em razão da pandemia, e do isolamento social, a Prefeitura de Mogi das Cruzes, por meio da sua Secretaria de Saúde, pede a doação de leite, mas indica que as doadoras liguem antes, para os telefones 4798-7343 ou 4798-7344. Só depois é que devem se dirigir ao local,que funciona nas dependências do Pró-Mulher, na Rua Manuel de Oliveira, 30 – no Mogilar, em frente ao centro comercial ComVem Patteo Mogilar e quase em frente ao Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo.

 

 

Foto: Arquivo