Terça em Mogi teve temporal com ventos, granizo e alagamentos

Chuva não estava na previsão dos meteorologistas. Córregos centrais transbordaram e pararam o trânsito

 

PAULO QUARESMA – DO CORREIO INDEPENDENTE – Não havia previsão de fortes chuvas para esta terça-feira (08/01), mas mais uma vez o tempo deu um nó nos meteorologistas e o que se viu sobre Mogi das Cruzes, a partir das 15h, foi muito vento, chuva forte, e muito granizo. Da manhã de muito sol, quente, com temperatura por volta dos 34°C, o meio da tarde virou noite. Dos cerca de 5 milimetros esperados na cidade, choveu algo em torno de 40 mm – segundo dados preliminares, ainda não confirmados. Depois, por volta das 17h40, o sol voltou a brilhar na cidade – mas com nuvens escuras atrás da Serra do Itapeti, em direção ao Taboão e Arujá.

De acordo com a Prefeitura de Mogi, o piscinão do Parque Santana – responsável por represar água e evitar que um grande volume chegue até a área central – atingiu a sua capacidade máxima, de 8 metros, equivalente ao armazenamento de 90 milhões de litros. Mas não foi suficiente. E o resultado foi que, na área central mogiana, os córregos se encheram rapidamente e invadiram as pistas. A Rua Ipiranga, logo na descida, perto da saída para a Rua Lara, as águas invadiram a pista e o tráfego foi interrompido. Ninguém se arriscava passar por ali, pois seria perda na certa.

O mesmo ocorreu na Avenida Voluntário Fernando Pinheiro Franco, que no trecho entre a Braz  Cubas e Sebastião Furlan, com o transbordamento dos córregos Negro e Ipiranga. Na foto em destaque (acima), feita pelo advogado Delmiro Goveia, do seu escritório, é possível ver que as águas do córrego formaram um rio também na Ipiranga.

Pelo Twitter a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos avisava, a partir das 15h50, que os trens circulavam com velocidade reduzida, em razão de alagamento nos trilhos na Linha 11 – Coral, que liga Mogi das Cruzes (Estação Estudantes) a Luz, em São Paulo. Também havia lentidão na Linha 12 -Safira, que liga Calmon Viana, em Poá, até o Brás, também na Capital. A CPTM avisou, ainda, que para piorar cabos de energia elétrica que alimentam os trens foram atingido por um raio em Jundiapeba, causando mais lentidão na circulação no trecho entre Guaianases e Estudantes.

Na área central – ruas como Dr. Ricardo Vilela e Barão de Jaceguai – nas proximidades da Santa Casa – tiveram alagamentos. Houve alagamento também na Avenida Governador Adhemar de Barros, via paralela com os trlhos da CPTM, na Vila Rubens.

Do alto do Edifício Rio Negro, no Centro de Mogi. a internauta Tatiane Matuyama fotografou a Praça da Bandeira, também conhecida como Praça da Bíblia e todo o entorno, com água quase que cobrindo o capô dos carros. É possível ver, no alto, que os veículos que transitavam pela Avenida Voluntário Fernando Pinheiro Franco, em direção a Braz Cubas, estavam desviando a direita, na Rua Tenente Manoel Alves dos Anjos, tudo para evitar cruzar com o Córrego Ipiranga, que passa sob a Avenida dos Bancos.
Na foto abaixo, postada por Toninho Miranda, no Facebook, é possível ver a altura que as águas chegaram na Avenida Voluntário Fernando Pinheiro Franco, justamente na esquina com a Sebastião Furlan. Um motorista desafiou a enchente e passou assim mesmo.
Na foto abaixo, feita por Ana Paula Carmo, é possível ver como ficou a Rua Braz de Pina, no Alto do Ipiranga, em seu trecho final. No alto dá para visualizar a enorme bandeira do Brasil, instalada no Atacadão, instalado na Rua Ipiranga.
Ainda não há um levantamento final da Defesa Civil e da Prefeitura de Mogi das Cruzes sobre todos os estragos que o temporal causou na cidade. Os Bombeiros também não informara se houve chamadas de alagamentos e quedas de árvores. Há relatos da falta de energia elétrica em alguns locais da cidade, mas a EDP não informou se há registros de ocorrências com interrupções do fornecimento.
Este vídeo, que chegou pelo WhatsApp do CORREIO INDEPENDENTE, enviada por Maria de Lourdes, mostra um motorista comentando o granizo caindo sobre o seu carro enquanto ele dirigia pela cidade.
Na Capital, o CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências) registrou 39,6 mm em 1 hora de chuva entre 15 horas e 16 horas na Vila Formosa, na zona leste.

A foto abaixo é de um ouvinte da Rádio Trânsito, com o temporal na Radial Leste, na Capital.

 

 

De acordo com a meteorologia – o que foi confirmado pelo CORREIO INDEPENDENTE nas imagens de satélite, o calor intenso – em contraste com a entrada da brisa marítima, estimulou rapidamente a formação de áreas de instabilidade que provocam o temporal que atingiu Mogi das Cruzes e parte da Capital e Grande São Paulo.

O leitor do CORREIO INDEPENDENTE, o corretor de imóveis Maciel Novaes, enviou este vídeo, com a chuvarada, os raios, trovoadas e as pedras de granizo, que caíra sobre o Jardim Santista, bairro na área central mogiana.

 

 

O radialista Marcelo Arruda fotografou o estado em que ficou o asfalto na esquina da Avenida Pedro Machado, com a interseção no final da Rua Dr. Deodato Wertheimer e início da Avenida Prefeito Francisco Ribeiro Nogueira. No local, estão sendo realizadas obras da Prefeitura de Mogi das Cruzes, e o asfalto ficou todo esburacado. Muito do material das obras tomou conta da esquina, aumentando o risco para os motoristas que utilizam o local.

 

 

O internauta André França postou a queda de uma árvore na Rua Sérgio Plaza, altura do número 800, na Vila Oliveira, e alertou aos motoristas e pedestres para tomar cuidado ao transitar pelo local.

 

 

Também foi registrada a queda de uma árvore na Rua Engenheiro Eugênio Motta, no Alto do Ipiranga. Também houve queda de árvore no cruzamento das ruas Otto Unger e Dom Antonio Cândido de Alvarenga, no Centro Cívico, que causou a interrupção de energia elétrica em parte da área central, incluindo o prédio sede da Prefeitura de Mogi das Cruzes – afetando serviços telefônicos essenciais à população, como o 153 – da Guarda Municipal e Fiscalização da Lei do Silêncio, e o 156, da Ouvidoria Municipal.

interrompeu o fornecimento de energia elétrica para parte da região central e do Centro Cívico, atingindo a Prefeitura. Com isso, alguns atendimentos telefônicos, como o 153 e 156, foram prejudicados.

Pelo Twitter, às 23h14, o Corpo de Bombeiros do Estado de São Paulo publicou que um levantamento contabilizando os seguintes números: 130 acionamentos para quedas de árvores, 44 pontos de alagamentos e 2 desabamentos em toda grande São Paulo e Região Metropolitana – onde está localizada Mogi.

 

Passagens subterrâneas

 

Mogi das Cruzes possui duas passagens subterrâneas, sob os trilhos da CPTM. Na Passagem Subterrânea Osvaldo Crespo de Abreu, o popular “Buraco do Padre”, que ligao Centro ao Mogilar, não houve registros de ocorrências. Já no Complexo Viário Jornalista Tirreno Da San Biagio – por baixo da estação Centro da CPTM, houve acúmulo de água no túnel sentido Bairro/Centro. A causa teria sido um problema técnico em uma das bombas.

Por voltadas 16h18 – já com a chuva atingindo Mogi – pelo Twitter – e também por MSM, para quem é cadastrado, a Defesa Civil do Estado de São Paulo alertava, “Chuva intensa em Mogi e Guararema. Tem raios e risco de granizo. Atinge cidades vizinhas. Busque abrigo”. No post havia ainda um ling de Como proceder nessas ocasiões

E o mogiano precisa ficar esperto nos próximos dias. Isso porque a previsão para esta quarta-feira (09/01) é de outro dia de muito sol, calor e chuva forte, em forma de pancadas, entre a tarde e o início da noite, com máxima em torno dos 34ºC.. E na quinta (10/01), a situação deverá ser quase igual, apenas um grau a menos na máxima – 33°C, no período da tarde.

Logo que o aguaceiro parou – funcionários da limpeza atuaram nos locais onde as águas invadiram as ruas, como no entorno da Praça da Bandeira, na área central de Mogi das Cruzes.