Conselho Municipal de Cultura de Mogi das Cruzes aprova recursos para apoio a artistas

O projeto já contemplou 63 artistas de diversos segmentos

 

DE MOGI DAS CRUZES – O Conselho Municipal de Cultura aprovou, nesta terça-feira (16/06), em reunião realizada pela internet, a utilização de R$ 99 mil do Fundo Municipal de Cultura para dar continuidade à Mostra Virtual de Mogi das Cruzes – A Arte Não Esqueceu de Você (Movi.Ar), estratégia criada pela Secretaria de Cultura e Turismo para apoiar artistas neste momento de isolamento social.

O projeto já contemplou 63 artistas de diversos segmentos. “Serão 100% de recursos do conselho, que se mobilizou em apoio à classe artística. Com este valor, poderemos beneficiar 82 profissionais”, afirma o secretário municipal de Cultura e Turismo, Mateus Sartori.

Nos próximos dias, a secretaria abrirá um chamamento público para cadastro de artistas – para receber o auxílio é necessário fazer a inscrição. A mostra é destinada a todos os segmentos artísticos, como fotografia, artes cênicas, dança, música, cinema, artes plásticas, artesanato, literatura e manifestações populares.

“O recurso que aprovamos seria para o Estúdio Municipal de Cinema e Fotografia, mas entendemos que este é um momento muito delicado e a urgência maior é que as pessoas sejam socorridas em suas necessidades primárias” explica a presidente do Conselho Municipal de Cultura, Priscila Nicoliche.

“Quando voltarmos à normalidade, destinaremos recursos para o Estúdio Municipal de Cinema e Fotografia, que está muito bem encaminhado. O mais importante agora é que as pessoas sejam amparadas”, completa.

O secretário explica que o dinheiro do Fundo Municipal de Cultura é proveniente de taxa de locação dos equipamentos culturais da cidade (10% da bilheteria) e projetos do Programa de Fomento à Arte e Cultura de Mogi das Cruzes (Profac) e da Lei de Incentivo à Cultura (LIC) que têm devolução de recursos. “Portanto, é um dinheiro da cultura e não sai da dotação orçamentária do município”, pontua.

Além de receber um apoio financeiro emergencial, os artistas foram estimulados, por meio da Mostra Virtual, a desenvolver apresentações e conteúdo online em plataformas virtuais, em especial as redes sociais. São artistas já conhecidos na cidade que migraram dos palcos tradicionais para o ambiente online.

São diversas intervenções, principalmente transmissões ao vivo (lives) pelas redes sociais. As apresentações ocorrem conforme agenda e planejamento de cada artista, porém o maior volume é registrado durante os fins de semana.

Sartori lembra que, além de prestar auxílio aos artistas, a Movi.Ar é uma maneira de garantir que as pessoas continuem tendo acesso à cultura durante a quarentena. “Neste momento, em que as pessoas estão mais em casa, é fundamental proporcionar acesso à arte e à cultura, ainda que em um novo formato.”

De acordo artistas, a mostra tem servido para manter e até ampliar o contato com o público. “Este formato de apresentação funciona também como uma ferramenta de engajamento, pois muitas pessoas que normalmente não iriam a um show ou a um teatro começam a acompanhar as lives. É uma estratégia que pode ter continuidade e ser levada adiante pelos artistas, mesmo no pós-quarentena”, destaca o secretário.

“A mostra tem um resultado excelente, além de ser um aprendizado de produção em casa, mesmo com alguma dificuldade técnica”, avalia Priscila Nicoliche.

Antes desse acréscimo de R$ 99 mil aprovado pelo Conselho Municipal de Cultura, a Secretaria de Cultura e Turismo já havia destinado apoio financeiro e estimulou a realização de atividades online por parte de guias turísticos da cidade.

Somando o apoio a artistas e guias turísticos, foram R$ 80 mil aplicados no auxílio emergencial. Outros quase R$ 17 mil foram transferidos para grupos de cultura popular, como congada, marujada e moçambique da cidade.

Outra medida adotada pela Secretaria foi a manutenção dos contratos com a Associação Orquestra Sinfônica de Mogi das Cruzes e com Instituto Sementinha (responsável pela gestão do CEU das Artes), preservando, com essa ação, entre 70 e 80 empregos diretos e indiretos.

A Movi.Ar foi primeira mostra do Brasil pensando no auxílio emergencial, criada antes mesmo de ser decretada quarentena pelo Governo do Estado de São Paulo e também o estado de calamidade pública por parte do município. “Tanto que a mostra foi referência num relatório internacional”, destaca Sartori.