Começa a testagem para Coronavírus em alunos e profissionais da Educação

Ação ocorreu em escola de Taboão da Serra; iniciativa visa estimar a frequência de infecção pela Covid-19 no retorno às aulas presenciais

 

PAULO QUARESMA – DO CORREIO INDEPENDENTE * – Teve início nesta quinta-feira (15/10) a testagem para o novo Coronavírus – causador da Covid-19,  entre alunos e servidores da Rede Estadual de Ensino de São Paulo. A primeira escola do Estado a fazer a testagem foi a Reverendo Almir Pereira Bahia, em Taboão da Serra, na Grande São Paulo. O ato foi acompanhado pelo governador João Doria e os secretários Rossieli Soares (Educação) e Jean Gorinchteyn (Saúde).

De acordo com a Secretaria de Estado da Educação, serão testados, no total, 10 mil estudantes e 9,3 mil profissionais da Educação das escolas estaduais. O programa de testagem iniciará pelas escolas da Região Metropolitana de São Paulo. Serão realizados testes em cinco escolas por município. Em cada, serão testados 100 alunos e todos os servidores que atuam na respectiva unidade.

O objetivo é identificar a frequência de contágio pelo coronavírus durante o período de volta às aulas presenciais que, desde o dia 7 de outubro, é opcional para alunos do ensino médio e Educação de Jovens e Adultos (EJA) da rede estadual. A retomada das aulas está condicionada à autorização das prefeituras e submissão de planos de retomada das unidades escolares às Diretorias Regionais de Ensino.

“Nosso objetivo é fazer com que os estudantes retomem as atividades presenciais com toda a segurança e seguindo os protocolos da saúde. Por isso, essa iniciativa é importante para adequarmos as medidas”, afirmou Rossieli.

“Iniciamos hoje a testagem na rede estadual de ensino para diagnosticar casos de Covid-19 e providenciar, se preciso, o isolamento a fim de evitar a transmissão do vírus para quem convive com estas pessoas”, declarou Gorinchteyn.

“A volta às aulas em São Paulo está sendo feita de forma segura, com a devida proteção a alunos, professores e servidores, de forma correta, sempre levando em conta a saúde e a vida. Nenhuma iniciativa no âmbito da educação, como em qualquer outra área do Governo de São Paulo, está sendo adotada sem seguir os protocolos determinados pelo Centro de Contingência, com 20 médicos especialistas, epidemiologistas e infectologistas”, disse Doria.

*Com informações do Governo do Estado de SP