Mogi: casal é encontrado morto em motel na Rodovia Mogi-Dutra

Polícia Militar foi chamada e encontrou os corpos. Disparos foram ouvidos pelos funcionários do motel

 

PAULO QUARESMA – DO CORREIO INDEPENDENTE – Um casal foi encontrado morto nesta segunda-feira (10/02) em um quarto de um motel localizado bem no início da Rodovia Pedro Eroles (SP-088), a Mogi-Dutra, no Jardim Araci, em Mogi das Cruzes. O casal havia dado entrada no motel às 22h19, de domingo (09/02). A mulher estava no volante.

Os dois foram identificados como Alene Roberta Fernandes Ferreira da Silva, de 25 anos e Anderson Fernandes Ferreira da Silva, de 30. Segundo informações da polícia, o casal estava em processo de divórcio há dois meses. Dessa união havia dois filhos, um de três anos e o outro de um ano e meio.

A Polícia Militar encontrou os dois corpos após ser acionada por funcionários do motel que ouviram disparos. Essa versão foi revelada para os policiais pelo gerente do motel. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), a perícia feita pelos técnicos do Instituto de Criminalística (IC) apontou que o homem estava caído no chão do quarto, ao lado da pistola calibre 380, utilizada nos crimes. A mulher estava na cama.

Segundo relatos dos funcionários do motel à polícia, às 22h25 foi pedido um lanche no quarto. Das 22h55 às 23h55 os funcionários ouviram disparos, mas percorrerem os corredores interno que dão acesso aos quartos e não encontraram nada de anormal. Somente na manhã desta segunda-feira (10/02), quando o casal deveria deixar o motel no fim da diária de 12 horas, foi que nenhum dos dois saiu e os funcionários resolveram acionar os superiores.

De acordo com a Polícia Civil – que investiga o caso – Alene foi morta por Anderson, que depois do crime cometeu o suicídio. O veículo utilizado pelo casal para ir ao motel foi apreendido pela Polícia Civil e também passará por perícia.

O caso foi registrado no 3º Distrito Policial de Mogi das Cruzes, em Cezar de Souza, como homicídio (Artigo 121 do Código Penal) e induzimento, instigação ou auxílio a suicídio ou a automutilação (Artigo 122 também do Código Penal).
Entre outras evidências, a Polícia Civil agora investiga as circunstâncias do assassinato seguido de suicídio, a relação do casal e a motivação do crime – que leva a crer foi pelo fato de Anderson não concordar com o pedido da mulher de separação.

Foto: Google Street View – Reprodução