Casal de adolescentes fugitivos de Suzano é encontrado

DO CORREIO INDEPENDENTE – Uma testemunha foi a responsável por avisar a família da adolescente Bruna Luiza Silva Ferreira, de 13 anos, que ela estava no Terminal Rodoviário do Tietê, em São Paulo, ao lado de um rapaz, e que embarcaria em um ônibus. Desaparecida desde o início da semana, junto com o namorado Bryan Felipe Rodrigues Martins, de 14 anos, ela foi localizada em um ônibus que levaria os dois para Ilhabela, no Litoral Norte de São Paulo.

 

Bruna e Bryan, que moram em Suzano – uma das dez cidades do Alto Tietê – saíram da cidade por um trem da Linha 11 Coral da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). De lá, foram vistos indo para a região da Luz, na área central da Capital, nas proximidades da Cracolãndia.

Lá, Bryan teria recorrido a um tio – um policial aposentado e pediu ajuda para arrumar um emprego. Com a negativa, ele e a adolescentes foram para o Terminal do Tietê e pensavam viajar para o Rio de Janeiro. Como o dinheiro não era suficiente, compraram passagens e embarcaram para Ilhabela. Foi quando uma testemunha, que assistiu a reportagem do desaparecimento dos jovens pela Record TV, comunicou o fato à polícia, que imediatamente avisou os pais da menina.

O último contato da menina com a família foi por volta das 17h da última segunda-feira (2) e ela contou a mãe que estava arrumando a casa. Mas, logo depois, a avó da menina ligou perguntando por ela. No início, a família pensou que a adolescente estava na área de convivência do condomínio onde moram, local de reunião constante dos jovens do local. Só por volta das 21h30, ao chegar em casa, a mãe dela, advogada Mônica da Silva Ferreira, percebeu o que estava acontecendo.

Imagens das câmeras de monitoramento mostraram que Bruna estava junto com o namorado e uma amiga em comum. E que os dois entraram num carro preto, que se soube depois ser de um aplicativo de transporte, que os levou até a Estação Suzano da CPTM.

O desaparecimento do casal estava sendo investigado pelo Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), da Capital.

Encontro

A mãe de Bruna, após comunicada pela polícia do que a testemunha havia visto no Terminal Rodoviário do Tietê, rumou para a rodovia, atrás do ônibus onde estavam a filha e o namorado. O veículo foi interceptado, o motorista comunicado do que estava acontecendo, e a mãe entrou. “Eles estavam dormindo. Quando ela me viu, ficou assustada, por instantes não entendeu o que estava acontecendo, até que eu a acalmasse e dissesse que voltaríamos para a nossa casa, em Suzano”, contou a mãe da menina.

 

Ainda segundo a mãe, logo que saíram da casa do tio de Bryan, na região central de São Paulo, os dois dormiram na rua. “Eles levaram cobertas e contaram que dormiram juntos, para se aquecerem”. Mônica disse que a fuga deve ter ocorrido em razão de havia uma desconfiança de que a filha estaria grávida. “Eles devem ter fugido de medo ou coisa parecida”, disse.