Balão se enrosca em torre e cai na Air Products na Vila Industrial, em Mogi

Balão caiu com a bucha acesa, junto com centenas de lanterninhas

 

PAULO QUARESMA – DO CORREIO INDEPENDENTE – Um balão, de grandes dimensões, carregando uma armação contendo centenas de lanterninhas, todos acesos, caiu na noite desta sexta-feira (24/07) em uma das torres da Air Products, indústria de gases industriais, instalada na Vila Industrial, entre a Rua João Cardoso dos Santos e a Avenida Cavalheiro Nami Jafet, em Mogi das Cruzes.  A empresa produz oxigênio, nitrogênio, argônio líquido, gases industriais e especiais.

O fato atraiu muita gente, que viu a ação dos funcionários da empresa, que com jatos de água apagaram o balão e as lanterninhas, evitando um incêndio no local. Ao lado da indústria, há um bairro com centenas de residências antigas, além de vasta área de mata, que com a falta de chuvas em Mogi, poderia ter causado um grande incêndio.

Pelo trajeto do balão, que passou sobre os bairros Ponte Grande e Jardim Itapeti, até cair sobre a Air Products. De acordo com a direção da empresa, brigadistas monitoram a possibilidade da queda de balões e logo que ele foi avistado se prepararam para apagá-lo e evitar riscos maiores.

De acordo com a empresa, cinco brigadistas estavam na fábrica no momento do incidente, mas outros dez moram por perto e são convocados automaticamente se houver necessidade. A bucha do balão, segundo a Air Products, foi apagada com a ação de canhões de jatos de água que integram o sistema de combate a incêndios da empresa.

 

Sem resgate

Normalmente, atrás dos balões seguem as equipes que os soltaram, para resgatar a bucha e os demais materiais. Nesse caso, como o fato atraiu muita gente, nenhum deles sequer tentou algum tipo de resgate. Populares, que se aglomeraram ao lado da empresa, comentavam que os baloeiros deveriam estar por perto.

Testemunhas, que avistaram o balão de longe, com as centenas de lanterninhas, dizem que ele veio de trás da Serra do Itapety. Ou seja, passou sobre ela, provavelmente soltado em outro município.

Crime

A prática de soltar balões é crime (artigo 42 da Lei de Crimes Ambientais nº 9.605/98) e causa acidentes graves. Fabricar, vender, transportar ou soltar balões que possam provocar incêndios nas florestas e demais formas de vegetação, em áreas urbanas ou qualquer tipo de moradia é crime, com penas que vão de 1 a 3 anos de detenção ou multa; ou ambas as penas cumulativamente.

Vale destacar que os balões trazem perigo também para a navegação área, e o percurso desse que caiu na Vila Industrial parece ter percorrido a rota de aviões que pousam e decolam do Aeroporto Internacional Governador Franco Monto, em Guarulhos. Nesse caso, a sorte é que com a pandemia, o número de voos está muito abaixo do normal.

Repercussão

Aline Affonso Martins diz que sempre vê balões passando por Cezar de Souza, onde ela mora – distante cerca de 7 quilômetros do local da queda desta sexta-feira. Ela descreve a apreensão e critica os baloeiros. “Sempre vejo passar aqui por Cezar. Normalmente eles passam por aqui, ainda explodindo os fogos de artifício. Coisa mais sem necessidade, sem propósito é soltar balão. Em plenos 2020 a gente precisa desenhar pra esses baloeiros entenderem que isso pode causar graves acidentes? Difícil!”.

Já Amanda Joyce, que mora no quarteirão ao lado da Air Products, diz que o incidente deixou toda a  vizinhança desesperada. “As casas aqui na Vila Industrial são todas coladas uma nas outras, e o medo de uma explosão, ou incêndio, é muito grande, tanto que já tinha gente indo para casa de parentes em outros bairros de Mogi”, disse. Para ela, soltar balões é uma imbecilidade. “As autoridades precisam ficar mais atentas, pois os grupos de baloeiros, pelo que a gente sabe, são grandes, com muitas pessoas, carros, motos, e não é possível que ninguém saiba o que eles fazem com antecedência”.

Veja mapa do local e, na seta, onde o balão caiu