Alto Tietê evolui no Plano SP, mas fica até outubro na Fase 3- Amarela – como todo o Estado de SP. Quarentena segue, ao menos, até 19/09

Reclassificação para mudança de fase passa a ser mensal, com a próxima atualização em 9 de outubro

 

DE MOGI DAS CRUZES – Uma atualização extraordinária, apresentada nesta sexta-feira (11/09) pelo Governo do Estado, mostra que o Alto Tietê, na sub-região Leste da Grande São Paulo, continua a apresentar melhora nos indicadores que baseiam a progressão de fases do Plano SP. A partir de agora com todo o Estado de São Paulo na Fase 3 – amarela, as reclassificações de fase passam a ser mensais, com o próximo anúncio em 9 de outubro. Ou seja, região só pode alcar para a Fase 4-Verde no próximo mês. Até lá, continua tudo como já vem acontecendo.

E a quarentena, iniciada em 24 de março em todo território paulista, foi novamente prorrogada: agora vai até 30 de julho.

De acordo como governo estadual, o acompanhamento dos indicadores nas próximas quatro semanas vai garantir mais segurança na possível migração de regiões para a Fase 4 – verde a partir do início de outubro.

“É natural que as regras do Plano SP sejam revistas e adequadas de acordo com a evolução da epidemia no Estado. Os indicadores do Alto Tietê evoluem de forma muito positiva e apontam as condições da região avançar para a fase verde. Agora isso não será mais possível em setembro e, embora a ansiedade seja grande, não podemos ter pressa. As flexibilizações precisam ocorrer com todos os critérios e segurança possíveis”, comenta Adriano Leite, presidente do Condemat (Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê) e prefeito de Guararema.

Segundo a atualização apresentada nesta sexta-feira (11/09),, a capacidade hospitalar do Alto Tietê apresenta uma taxa de ocupação de 52,3 de leitos de UTI/Covid, com a oferta de 13,2 leitos para cada 100 mil habitantes. Nos indicadores de evolução da epidemia, a região contabiliza uma variação de 0,72 em novos casos; de 0,74 em internações; e de 0,74 em óbitos. Nas internações por 100 mil habitantes, a variação é de 26,8 e, nos óbitos, a média é de 5,1.

Pelas regras vigentes para avançar para a Fase 4 – Verde, a taxa de ocupação de leitos de UTI deve ser inferior a 75 e a disponibilidade de leitos superior a 5. Nos indicadores de evolução da epidemia, os casos, óbitos e internações precisam ter variação inferior a 1,0. Além disso, as internações por 100 mil habitantes precisam ser inferiores a 40 e, os óbitos, abaixo de 5,0. Na Fase Verde, os setores que já estão ativos podem ter a capacidade de atendimento ampliadas para 60% (atualmente é 40%).

Não estão descartadas alterações nos indicadores até a atualização de 9 de outubro.

Indicador 21/08 04/09 11/09
Taxa de Ocupação Covid/Últimos 7 dias 52,7 49,7 52,3
Leitos Covid UTI/100 mil habitantes 15,8 15,0 13,2
Casos 0,80 0,79 0,72
Internações 0,85 0,98 0,74
Internações/100 mil habitantes (14 dias) 34,7 31,0 26,8
Óbitos 0,88 0,84 0,74
Óbitos/100 mil habitantes (14 dias) 7,2 6,4 5,1

A 13ª classificação do Plano São Paulo, com os índices atualizados de evolução da pandemia e capacidade hospitalar em cada região, está disponível em https://www.saopaulo.sp.gov.br/wp-content/uploads/2020/09/14-balanco-plano-sp-11092020.pdf.