ACMC critica Doria por manter Mogi das Cruzes na fase laranja

Entidade reforça que comércio está preparado para cumprir os protocolos de segurança e reduzir riscos

 

DE MOGI DAS CRUZES – A direção da ACMC (Associação Comercial de Mogi das Cruzes) criticou a permanência da cidade na fase laranja da retomada econômica. O anúncio feito nesta sexta-feira (26/06) pelo Governo do Estado jogou um balde de água fria na classe empresarial, que contava com a flexibilização para o funcionamento do comércio e serviços seis horas por dia, além da abertura de bares, restaurantes e salões de beleza.

Para o presidente da ACMC, Marco Zatsuga (foto abaixo), a classificação atual não condiz com a realidade da cidade, que tem apresentado uma boa evolução nos indicadores de controle da epidemia. Mais do que isso, ele disse que o comércio local é prejudicado pelo fato das cidades vizinhas estarem funcionando por seis horas, enquanto em Mogi são apenas quatro horas, conforme determinação do Ministério Público.

“Entendemos que a cidade tem condições dessa flexibilização maior, até porque seis horas por dia de funcionamento permite uma melhor distribuição dos consumidores, reduzindo os riscos de aglomerações”, pontuou Zatsuga.

“Além disso, há condições para que os bares, restaurantes e salões de beleza também possam funcionar. Os empresários, de maneira geral, estão cientes dos protocolos de segurança que precisam ser incorporados na retomada das atividades”, acrescentou o presidente da ACMC.

O dirigente reforçou a preocupação dos comerciantes e prestadores de serviços em adotar os protocolos de segurança para reduzir os riscos de contágio do coronavírus entre funcionários e consumidores. Entre as medidas incorporadas nos cuidados estão o uso obrigatório de máscaras, disponibilidade de álcool em gel e controle no acesso de pessoas no interior dos estabelecimentos.

“Esperamos que essa classificação possa logo ser revertida. O comércio não aguenta mais a situação atual”, concluiu o presidente.

As lojas em Mogi estão abertas desde o dia 12. A princípio, acompanhando as cidades da região, o funcionamento foi de seis horas diárias, mas desde o dia 22 são apenas quatro horas.