A extinção do Ministério do Trabalho

Confirmada pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, a extinção do Ministério do Trabalho a partir de 1° de janeiro do próximo ano já causa repercussão. Integrantes do Poder Judiciário e do Ministério Público começam a se manifestar de forma contrária ao fim da pasta e o desmembramento de suas atribuições em setores diversos do próximo governo. Membros do Poder Judiciário afirmam, categoricamente, que o Ministério do Trabalho encontra guarida no estado democrático de direito, previsto na Constituição Federal. Por outro lado, membros do Ministério Público do Trabalho afirmam que mesmo havendo denúncia de corrupção na pasta, tal fator, por si só, não seria determinante para a extinção. Assim, resta ao trabalhador aguardar os rumos da gestão de questões que lhe são sensíveis. Há mais de oitenta anos manteve-se a tentativa de se rechaçar todo e qualquer tipo de exploração dos trabalhadores, o que não se conseguiu de forma efetiva, entretanto, ainda que de forma pontual, o Ministério do Trabalho a combateu. Agora com a extinção e a possibilidade de intervenção, sempre lenta do Poder Judiciário, para o deslinde do caso – resta ao trabalhador aguardar o resultado que refletirá de forma direta em sua relação de trabalho, a saber se positiva ou negativa.