Perigo: 77% dos brasileiros consomem remédios por conta própria

 

DE MOGI DAS CRUZES – Uma pesquisa realizada pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF), por meio do Instituto Datafolha, revelou que 77% dos brasileiros se automedicam, ou seja, consomem remédios sem orientação médica. O hábito, que para a maior parte da população pode parecer comum, traz uma série de riscos à saúde. A utilização indiscriminada de remédios também pode deixar bactérias mais resistentes, o que torna mais difícil e caro o tratamento de doenças.

O levantamento divulgado pelo CFF coincide com o Dia Nacional do Uso Racional de Medicamentos, lembrado no dia 5 de maio. A pesquisa também mostrou quais foram os medicamentos mais utilizados pelos brasileiros nos últimos seis meses. Um dado que chama a atenção é o consumo de antibióticos, ingerido por 42% dos entrevistados, percentual superado apenas pelo uso de analgésicos e antitérmicos, que 50% das pessoas declararam tomar.

De acordo com a coordenadora da Farmácia do Hospital Municipal de Mogi das Cruzes (HMMC), Ariane Reis, a automedicação pode provocar o agravamento de doenças, o comprometimento da eficácia dos tratamentos, além de gerar riscos de reações alérgicas, dependência e até mesmo a morte. “A automedicação, muitas vezes, é vista como uma solução imediata para alguns sintomas, mas pode trazer consequências”, explica.

A especialista alertou que os medicamentos são a principal causa de intoxicação no Brasil. “De acordo com o Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas (Sinitox), da Fundação Oswaldo Cruz, eles ficam à frente de produtos de limpeza, agrotóxicos e alimentos. Boa parte desses acidentes ocorre devido à automedicação”, acrescenta.

A farmacêutica chamou a atenção para outro dado importante. “A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) mostra que os analgésicos, os antitérmicos e os anti-inflamatórios estão na classe dos remédios que mais intoxicam. O uso de remédios de forma incorreta pode agravar a doença ao esconder sintomas. Se o remédio for antibiótico, o uso abusivo pode gerar o aumento da resistência de microrganismos, o que compromete a eficácia dos tratamentos”, esclareceu. De acordo com a pesquisa, a automedicação é um hábito comum para 77% dos brasileiros.

 

Descarte

Outra preocupação importante é com o descarte correto dos medicamentos. Quando jogados no lixo comum ou em vasos sanitários, podem contaminar o solo e água. Em Mogi das Cruzes, a Secretaria Municipal de Saúde mantém o programa Jogue Certo, onde mogianos podem entregar remédios vencidos ou sem utilização.

Veja onde medicamentos sem uso ou vencidos podem ser descartados

  • UBS Vila Suíssa – Avenida Ricieri José Marcatto, 310
  • PA 24 horas Jundiapeba – Rua Vereador Nito Sona, 1.745
  • PA 24 horas Jardim Universo – Rua Dom Luís de Souza, 1.360
  • Promeg (sede da Secretaria Municipal de Saúde) – Rua Manuel de Oliveira, 30, Mogilar
  • Programa de DST/Aids – Rua Fausta Duarte de Araújo, 412, Jardim Santista
  • Ambulatório de Saúde Mental – Rua Coronel Souza Franco, 205, Parque Monte Líbano
  • Unica – Rua Professora Lucinda Bastos, 1.790 – Jundiapeba
  • USF Toyama – Rua Um, esquina com avenida Engenheiro Miguel Gemma
  • USF Jd. Aeroporto II – Rua Tonga, 420