4 vereadores de Mogi transferidos para o Complexo de Tremembé

Foram transferidos nesta quarta Mauro Araújo, Carlos Evaristo, Diego Martins, o Diegão, e Jean Lopes

 

PAULO QUARESMA – DO CORREIO INDEPENDENTE – Quatro vereadores presos em Mogi das Cruzes, presos por suspeita de corrupção, participação em organização criminosa e lavagem de dinheiro, foram transferidos na manhã desta quarta-feira (09/09) da Cadeia Pública da cidade – no prédio anexo ao Plantão de Flagrantes do 1º  Distrito Policial, para o Complexo Prisional de Tremembé, no Vale do Paraíba, local de presos famosos.

Um quinto vereador, preso na mesma operação, segue, por enquanto, em prisão preventiva domiciliar.

Os quatro transferidos nesta quarta são  Jean Lopes (PL), Diego de Amorim Martins, o Diegão, (MDB), Carlos Evaristo da Silva, o pastor Evaristo (PSB) e Mauro Araújo (MDB). O quinto vereador preso, Francisco Moacir Bezerra, o Chico Bezerra (PSB), por ter passado mal durante a prisão e ser atendido no Hospital Santana, no Alto do Ipiranga, segue em casa.

Um dia antes, na terça-feira (08/09), os três empresários e o assessor da Câmara presos por suspeita de participação nos crimes foram transferidos da mesma Cadeia Pública mogiana para o Centro de Detenção Provisória (CDP) de Mogi das Cruzes, no bairro do Taboão. Eles são Carlos César Claudino de Araújo, o Cézinha, irmão do vereador Mauro Araújo, Willian Casanova (empresário e consultor de assuntos governamentais da Câmara de Mogi), Joel Leonel Zeferino, André Alvim de Matos, o Gordão, assessor do vereador Diego de Amorim Martins (MDB), o Diegão.

Segundo sustenta o Ministério Público, por meio da Promotoria do Patrimônio Público na operação “Legis Easy” – que em português significa “legislação fácil”, Carlos César Claudino de Araújo é o operador financeiro do esquema de crimes cometidos contra

Dos 12 mandados, faltam cumprir 3

Dos 12 mandados de busca e apreensão e prisão, determinados pela 3ª Vara Criminal do Fórum de Mogi das Cruzes, três ainda não foram cumpridos, e os envolvidos são considerados foragidos pela polícia. São eles o Antonio Lino da Silva (PSD), o filho do vereador Chico Bezerra – que está em prisão preventiva domiciliar em razão de ter passado mal, Pablo Bezerra, e a empresária Carla Salvino Bento.

Lino, segundo boatos que correm na cidade, poderia estar no interior do Paraná, sua terra de origem, embora desde sábado (05/09) páginas da Internet chegaram a anunciar sua prisão em Bertioga, na Baixada Santista, o que não foi confirmado. Tanto a Polícia Civil, quanto a Polícia Militar, seguem em busca de localizar os três ainda não presos.

Abaixo, clique e leia a íntegra da denúncia do MP à justiça contra vereadores
de Mogi das Cruzes, assessores parlamentares e empresários

DENÚNCIA MP VEREADORES ASSESSORES EMPRESÁRIOS MOGI

_____

Tremembé, local de presos e casos famosos

O Complexo Prisional de Tremembé, no Vale do Paraíba, distante cerca de 125 quilômetros de Mogi das Cruzes, abriga – ou já abrigou – presos de casos famosos,que ganharam as manchetes e da imprensa nacional e internacional. E coube a um morador do Alto Tietê – sub-região Leste da Grande São Paulo, onde fica Mogi – o ex-prefeito de Ferraz de Vasconcelos, Acir Filló – também preso  por uma sucessão de casos de corrupção – escrever um livro sobre essas “celebridades”, encarceradas por lá.

Filló, que é jornalista e escritor, em seu livro “Diário de Tremembé – O presídio dos Famosos”, relata a rotina do presídio do Vale do Paraíba, conhecido por receber grandes celebridades no mundo do crime.

 

Veja alguns dos presos que estão ou estiveram por lá

Alexandre Nardoni, condenado pelo assassinato da filha em 2008;

Lindemberg Alves, que assassinou a namorada Eloá, em 2008, no ABC paulista.

Cristian Cravinhos, conhecido pela morte dos pais de Suzane von Richthofen, em 2002, na Capital.

Guilherme Longo, suspeito de matar o enteado, o garoto Joaquim, em 2013.

Mizael Bispo de Souza, condenado pela morte da namorada Mércia Nakashima, em 2010.

Carlos Sussumu Hasegawa, médico e empresário do ramo de postos de combustíveis, por sonegação milionária.

Roger Abdelmassih, médico acusado de estuprar dezenas de mulheres.